01 jul 2012

Onde está Pedro, aí está a Igreja!

Estamos diante da questão da identidade de Jesus. Perante isto, dois títulos se confrontam: “Filho do Homem” e “Cristo”. Jesus, com frequência, identifica-se como o “Filho do Homem”. Por outro lado, os discípulos originários do Judaísmo identificam-nO como o “Cristo”. O “Filho do Homem” é uma expressão que aparece quase uma centena de vezes no livro do profeta Ezequiel, exprimindo a condição humana comum e frágil de alguém que coloca toda sua confiança em Deus.

“Cristo”, sinônimo de “Messias” ou “Ungido”, é um título aplicado, abundantemente, a Davi, ou a um de seus descendentes, no Antigo Testamento, estando associado à ideia de um chefe poderoso e dominador.

“Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la” (Mt 16,18). A Igreja é imortal e seu fundamento deve perdurar sempre.

Nós católicos temos a certeza e o orgulho de sermos a única Igreja cristã edificada sobre o fundamento rochoso, sobre Pedro (ver Mt 7,24). Daí que nós, simples e humildemente, nos orgulhamos em afirmar: “Onde está Pedro, aí está a Igreja!”

Deixemos a primeira pergunta: “Quem dizem os homens que eu sou?”. Respondamos a segunda pergunta: “E vós?”. Hoje, não é suficiente a resposta de Pedro: “O Messias, o esperado de Israel”. A nossa deveria ser: “O Filho de Deus encarnado, ‘que se entregou e morreu por nós'” (cf. Gl 2,20). Por isso, vivemos a vida presente pela fé no Filho de Deus.

Na verdade, essa imagem de Cristo, que levamos dentro de nós desde o batismo, está destroçada ou escurecida. Como poderemos ser apóstolos se não sentimos Sua presença dentro de nós? Como “vender um produto” do qual não estamos, nós mesmos, convencidos?

A resposta de Jesus, dada a Simão, indica que a nossa resposta, admitindo Seu senhorio total como Messias e Filho de Deus, é também um dom do céu. Não seremos os chefes, como Pedro, mas a Igreja estará fundada em nós e nas nossas famílias.

Além de Cristo, como figura central, temos Pedro como figura destacada por duas razões: por sua fé em Jesus e por sua lista de serviços como chefe da comunidade. A revelação de confessar Jesus como Messias, Filho de Deus, é um dom do Pai, e isso serve para todos nós. A chefia da comunidade eclesial é própria dele [Pedro] e continua em seus sucessores através dos séculos. A eles pertence o poder das chaves, jurídico e doutrinal, como o entende a Igreja Católica. Não foi dado este poder aos outros discípulos e, portanto, devemos distingui-lo do poder evangelizador e de governo dado ao resto dos apóstolos, do qual todos nós participamos como discípulos e missionários de Jesus Cristo com uma missão específica.

Que os dois pilares da Igreja, Pedro e Paulo, intercedam por cada um de nós a fim de que sejamos verdadeiramente discípulos e missionários, exercendo as nossas tarefas diárias e professando a nossa fé em Jesus Cristo, o Filho do Deus Vivo!

Padre Bantu Mendonça

Comentários