25 mar 2013

Ofereçamos a Jesus aquilo que temos de melhor

Nosso Senhor amava Lázaro, Marta e Maria. Ele voltou a Betânia seis dias antes da Páscoa para visitar, novamente, os seus amigos de Betânia. Comove ver como o Senhor tem esta amizade, tão divina e tão humana, que se manifesta num convívio frequente.

Cristo Jesus sempre foi muito bem recebido por Lázaro, Marta e Maria – em qualquer dia e a qualquer hora – com alegria e afeto. Havia grande respeito, atenção e caridade entre eles.

Assim como Lázaro, Marta e Maria, que recebiam o Senhor em sua casa com alegria e amor, abramos também o nosso coração para recebê-Lo.

São milhares aqueles que negam hospedagem para Cristo em seus corações, mas escancara-os para o mundo e suas vaidades. Esses vivem com a alma cheia de vícios. A alma, sem a presença de seu Deus e dos anjos que nela jubilavam, cobre-se com as trevas do pecado, de sentimentos vergonhosos e de completa ignomínia.

“Ai da alma se lhe falta Cristo! Que a cultive com diligência para que possa germinar os bons frutos do Espírito! Deserta, coberta de espinhos e de abrolhos, terminará por encontrar, em vez de frutos, a queimada. Ai da alma, se seu Senhor, o Cristo, nela não habitar! Abandonada, encher-se-á com o mau cheiro das paixões, virará moradia dos vícios”, diz São Macário.

Era costume da hospitalidade do Oriente honrar um hóspede ilustre com água perfumada depois de se lavar. Mas mal sentou-se Jesus, Maria tomou um frasco de alabastro que continha uma libra de perfume muito caro, de nardo puro. Aproximou-se por detrás do divã onde estava recostado Jesus e ungiu os Seus pés e secou-Lhes com os seus cabelos. Trata-se de Maria Madalena que, pela segunda vez, unge o Corpo Santíssimo do nosso Divino Salvador.

O nardo era um perfume raríssimo, de grande valor, que, ordinariamente, se encerrava em pequenos vasos de boca estreita e apertada. Quebrar este vaso e derramar o conteúdo sobre a cabeça de alguém, era, entre os antigos, sinal de grande honra e distinção.

Maria ofereceu o melhor para Jesus. Ela não ofereceu um perfume barato, mas o melhor e o mais caro. E você? O que tem oferecido ao seu Senhor?

Façamos também nós o mesmo: ofereçamos a Nosso Senhor aquilo que temos de melhor e precioso. O melhor cálice, a mais bela patena, o mais piedoso ostensório, os melhores paramentos, a nossa vida, tudo o que somos e temos, pois todo o luxo, majestade e beleza são poucos perante a tamanha grandeza de Jesus, nosso Mestre.

A Jesus Cristo, nosso Rei e Senhor, toda honra, louvor, adoração e domínio pelos séculos dos séculos. Amém.

Padre Bantu Mendonça

Comentários