12 ago 2011

O plano de Deus para a vida conjugal

A pretensão dos fariseus, ao experimentarem Jesus, era arranjar um motivo pelo qual pudessem acusá-Lo e, assim, poder matá-Lo. Eles queriam que o Senhor tropeçasse na interpretação da Lei, pois, desse modo, teriam como acusá-Lo. Eles estavam havia um bom tempo tentando fazer isso, mas não conseguiam. O Senhor disse que nunca havia sido o propósito de Deus que o casal se separasse. Ele apoiou Seu ensino com os versículos bíblicos de Gênesis 1,27; 5,2 e 2,24.

Fazendo uma releitura do posicionamento de Jesus vemos que Ele não estava em conflito com Moisés. A tal certidão de divórcio nunca esteve no plano original de Deus Pai. Isso foi aprovado transitoriamente na Lei de Moisés devido à “dureza do coração” dos homens.

Deve destacar-se que a Lei de Moisés não instruiu o divórcio. Por ordem divina, o profeta tolerou o divórcio e o regulamentou a fim de evitar abusos, pois as mulheres não tinham direitos; e, para protegê-las, Deus permitiu que ele [Moisés] criasse essa lei, a fim de que as mulheres tivessem uma nova chance de felicidade.

Muitas pessoas hoje se referem a Deuteronômio 24,1-4 como fundamento do que chamam “divórcio cristão”. Mas, na realidade, fala-se aqui da vida doméstica dos judeus, que, ao tomarem uma esposa, equivalia a adquirirem uma propriedade. A autoridade do esposo sobre sua mulher era quase absoluta. O propósito da lei – aqui enunciada – era melhorar a sorte da mulher hebreia. Essa lei, longe de estabelecer uma baixa norma moral, ou de aprovar uma norma tal, representava uma norma muito mais elevada que a reconhecida pelos cruéis costumes daquele tempo.

A lei garantia à mulher divorciada certos direitos e, na realidade, a protegia de ser considerada adúltera ou rejeitada pela sociedade. Deixava a casa de seu primeiro marido como mulher livre e respeitada pela sociedade, apta para contrair um matrimônio honroso.

A carta de divórcio estabelecia que seu primeiro esposo já não tinha mais jurisdição legal sobre ela e que ela não tinha nenhum tipo de obrigação para com ele, senão que estava livre para ser esposa de outro homem. Ao voltar a casar, não se fazia culpada de adultério, nem se violavam os direitos de seu primeiro marido.

A lei mosaica sobre o divórcio não foi dada para anular os ideais do matrimônio instituído por Deus na criação, mas sim devido à “dureza” dos corações humanos (cf. Mateus 19,8). A sorte de uma mulher só e desprezada era deplorável. A carta de divórcio aliviava seu infortúnio. Essa lei simplesmente reconhecia a situação existente e buscava melhorá-la. Essa era uma lei de permissão e não de obrigação. Essas mesmas restrições tinham por objetivo eliminar o fácil processo de divórcio que evidentemente os hebreus haviam aprendido em sua associação com os povos pagãos.

Cristo falou enfaticamente contra o conceito de ter uma esposa como propriedade (cf. Mateus 5,27-32; 19,3-9). Essa prática havia acarretado muita desgraça e injustiça às mulheres judias.

A lei de Deuteronômio 24,1-4 não instruiu o divórcio, senão que o tolerou em vista das imperfeições da natureza humana e dos baixos conceitos morais do povo de Deus nesse tempo.

Para conhecer a opinião de Deus a respeito do matrimônio é preciso não se deter em Deuteronômio 24,1-4, mas sim, como o fizera Jesus hoje, remontar a Genêsis 1,27 e 2,24 (cf. Mateus 5,27-32; 19,3-9). O conselho escrito por Moisés para a gente de sua época deve interpretar-se à luz dos costumes de seu tempo, e não do nosso, e sempre tendo em vista o ideal divino. Uma vez mais Cristo elevou à vista dos homens esse divino ideal ordenado no Éden. Esse primeiro matrimônio nos proporciona o modelo dado por Deus para Seu povo de hoje.

Jesus permite o divórcio em caso de relações ilícitas. Relações ilícitas são todas práticas sexuais ilícitas, que não são conformes o plano de Deus, tais como: adultério, fornicação, homossexualismo, lesbianismo, bestialidade.

Se a separação foi por outro motivo, e se o homem ou a mulher passam a viver juntos com outra pessoa, eles estão em adultério. Mas isso não significa que Deus não possa ajudar tal casal a rever sua vida espiritual. O Senhor tem o desejo de ajudar todos esses casais que não estão ainda com sua situação conjugal acertada. Portanto, é importantíssimo que o casal recorra a Ele a fim de solucionar sua situação.

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários