13 fev 2008

O PEDIDO DE UM MILAGRE Lc 11,29-32

Esta geração pede um sinal. Também nós esperamos a manifestação, o sinal do sucesso, tanto na história universal como na nossa vida pessoal.

Quando a multidão se ajuntou em volta de Jesus, ele começou a falar e disse o seguinte: Como as pessoas de hoje são más! Pedem um milagre como sinal de aprovação de Deus, mas nenhum sinal lhes será dado, a não ser o milagre de Jonas. Assim como o profeta Jonas foi um sinal para os moradores da cidade de Nínive, assim também o Filho do Homem será um sinal para a gente de hoje. No Dia do Juízo a rainha de Sabá vai se levantar e acusar vocês, pois ela veio de muito longe para ouvir os sábios ensinamentos de Salomão. E eu afirmo que o que está aqui é mais importante do que Salomão. No Dia do Juízo o povo de Nínive vai se levantar e acusar vocês porque, quando ouviram a mensagem de Jonas, eles se arrependeram dos seus pecados. E eu afirmo que o que está aqui é mais importante do que Jonas. Aquele que dá o seu próprio corpo e sangue para ser comido e bebido, que fala com os demônios e os expulsa, que dá vista aos cegos, ressuscita os mortos, defende o órfão e a viúva, anuncia um ano novo da graça e…

Eu pergunto se o cristianismo transformou o mundo, se produziu esse sinal de pão e de segurança de que falava o diabo no deserto (Mt 4,3s). De acordo com a interpretação de Karl Marx, o cristianismo dispôs de tempo suficiente para estabelecer a prova dos seus princípios, para provar o seu sucesso, para demonstrar que criou o paraíso terrestre; para Marx, depois de todo este tempo, seria necessário apoiar-nos agora em princípios diferentes.

Esta argumentação não deixa de impressionar muitos cristãos que chegam a pensar que seria necessário, pelo menos, inventar um cristianismo muito diferente, um cristianismo que renunciasse ao luxo da interioridade, da vida espiritual. Mas é precisamente assim que eles impedem a verdadeira transformação do mundo, que se baseia num coração novo, num coração vigilante, um coração aberto à verdade e ao amor, um coração liberto e livre.

Jesus, dirigindo-se às multidões, menciona “esta geração perversa” que busca um sinal. Com o termo “geração”, Jesus está se referindo aos escribas de Jerusalém que vêm questioná-lo e provocá-lo.

Em Mateus, com um sentido cristológico, o “sinal de Jonas” é tomado como símbolo da ressurreição. Em Lucas, a perspectiva é missionária. O “sinal” é relacionado com a pregação de Jonas em Nínive, por meio da qual esta cidade se converteu. O anúncio da Palavra é um sinal suficiente da presença do Reino. É convincente, provocando mudanças. A Palavra carregada de sabedoria é um sinal. Na concepção da tradição davídica bíblica, a rainha do Sul foi atraída pela sabedoria de Salomão (1Rs 10,1-10).

Esta narrativa, dirigida às comunidades, descarta as expectativas de sinais maravilhosos da presença de Jesus. O grande sinal é o anúncio de sua Palavra ao mundo.

Na raiz deste pedido descarado de um sinal está o egoísmo, a impureza de um coração que só espera de Deus o sucesso pessoal e uma ajuda para afirmar o absoluto do eu. Esta forma de religiosidade é a recusa absoluta de conversão que também o mundo de hoje vive. Mas quantas vezes não dependemos nós mesmos do sinal do sucesso! Quantas vezes não reclamamos o sinal e recusamos a conversão!

Comentários

Outubro

51%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários