24 ago 2012

O olhar que evangeliza

Irmãos e irmãs, diante do Evangelho de hoje (cf. Jo 1,45-51), percebe-se o quanto o primeiro contato de muitos com Jesus foi mediado. Filipe encontrou-se com o Mestre; ou melhor, Filipe foi encontrado por Ele (cf. Jo 1,43-44) e, por consequência, acabou promovendo o encontro de Natanael com o Senhor.

Uma outra coisa interessante chama a atenção naquele acontecimento decisivo da história de Natanael: Jesus, como o Profeta, conhece as pessoas e as surpreende com palavras de graça – ainda que, como muitos, Natanael não desse crédito aos nazarenos.

Disse Jesus a Natanael: “Este é um verdadeiro israelita, no qual não há falsidade!”. “Antes que Filipe te chamasse, quando estavas debaixo da figueira , eu te vi” (Jo 1,47-48). Natanael ficou tão impactado com aquele olhar – de misericórdia e verdade do Verbo Encarnado -, que o penetrou com ternura e sem preconceitos, os quais são, na maior parte das vezes, compostos de ignorância e superficialidades.

Assim, Natanael “desmoronou”. Foi desarmado pelo olhar de Cristo e não demorou para entender, com o auxílio do Espírito Santo, o quanto foi providencial a presença e iniciativa de Filipe, quem serviu de “ponte” entre ele e “o Filho de Deus…Rei de Israel” (Jo 1,49).

Também Natanael, iluminado, pôde reconhecer, com o coração e os lábios, os títulos acima citados, além de ouvir do único Mediador da Salvação palavras de vida eterna que chegam até nós: “Em verdade, em verdade vos digo: vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem!” (Jo 1,51).

Frente a tão grandes testemunhos, alguns questionamentos surgem em nós: “Tenho procurado promover um encontro pessoal e transformador de Jesus com os meus conhecidos a exemplo do que Filipe fez?” “Intercedo para que isto aconteça na vida das pessoas, pelo menos as conhecidas?” Ou ainda: “Uma vez que já iniciei o processo pessoal de conversão, tenho prestado atenção com que tipo de olhar o Senhor Jesus me vê?” E: “Não existem pessoas próximas a mim, e que já não recorrem à visão de Cristo, para se ver e ver toda a realidade?”

Não são auto-acusações e, muito menos, “dedo apontado” a cada um de nós. Mas uma oportunidade de nos revermos à luz do Evangelho que constantemente nos convida à revisão (conversão) em relação a Ele e ao próximo. Mesmo que alguém olhe para você – e para a sua história – e diga, num olhar que seja: “Daí não virá coisa boa!”, não se deixe impressionar. Como Jesus, continue indo ao encontro destes nossos irmãos e irmãs!

Sejamos unidos numa só fé; sejamos um farol que sinaliza em meio a mares revoltos, para onde é preciso rumar a fim de encontrar um porto seguro. É claro que esta fé é essencialmente eclesial para conseguir comunicar a Luz Verdadeira (cf. Jo 1,9) em meio às trevas e nevoeiros do relativismo e individualismo que se alastram no mundo.

Portanto, alegremo-nos, hoje e sempre, se já fazemos parte da barca de Filipe e Natanael – que é a mesma de Pedro. Mas saibamos que ser membro desta embarcação tão especial nos convoca, como Igreja, a não desistirmos da busca da verdade e a sermos uns para os outros intercessores e promotores do encontro pessoal com Cristo, no poder do Espírito Santo.

Ele, que a todos vê, de todos sabe e a todos nos envia com um olhar de misericórdia e verdade.

Padre Fernando Santamaria – Comunidade Canção Nova

Comentários