22 Jan 2010

O ódio mata o coração

São Marcos 3, 13-19

Hoje, no Evangelho, nós encontramos Jesus que sobe para o monte; lá o Senhor reza e começa a escolher aqueles que são os propagadores daquilo que Ele veio fazer no nosso meio. Jesus veio fazer o maior ato de reconciliação para conosco. Ato de reconciliação de nós para com Seu Pai. Essa reconciliação se deu na cruz. A nossa missão é essa: reconciliar-nos.

I Samuel 24,13-21

Hoje, nós vimos uma expressão de Saul que queria matar Davi. O povo tinha pedido um rei, o rei deles era Deus, mas eles queriam um rei e o Senhor lhes deu um rei. Saul foi o primeiro rei, mas ele foi decepcionando Deus. O Senhor resolveu escolher um novo rei, que seria Davi, mas este só se tornaria rei após a morte de Saul. Então, este começou uma perseguição muito grande contra Davi porque o ciúme começou a tomar conta do coração dele. O ciúme é um pecado capital e se as pessoas não tomarem cuidado, esse mal se torna um pecado ainda maior e acaba se tornando ódio.

Saul queria matar Davi por causa do ciúme que se tornou ódio. Davi teve a oportunidade de matar Saul, mas ele não fez isso, pois tinha pureza no coração. Não foi simplesmente porque ele era ungido do Senhor que ele não iria matar, mas sim porque ele era filho de Deus.

O mal está nele e não em mim, foi isso que Davi disse. Nós não podemos desejar o mal do outro, mesmo que ele deseje o seu [mal]. Tem muita gente por aí querendo se vingar e isso não vem do Evangelho. Davi lutou contra o mal que estava dentro dele. Lute contra essa tendência maligna dentro do coração de querer se vingar.

O ódio não mata o outro, mata a pessoa que está com ele. Ele mata o coração. O ódio mata e a única solução para ele é evitar alimentá-lo. Faça o bem!

“Passado algum tempo, ofereceu Caim frutos da terra em oblação ao Senhor. Abel, de seu lado, ofereceu dos primogênitos do seu rebanho e das gorduras dele; e o Senhor olhou com agrado para Abel e para sua oblação, mas não olhou para Caim, nem para os seus dons. Caim ficou extremamente irritado com isso, e o seu semblante tornou-se abatido. O Senhor disse-lhe: ‘Por que estás irado? E por que está abatido o teu semblante? Se praticares o bem, sem dúvida alguma poderás reabilitar-te. Mas se precederes mal, o pecado estará à tua porta, espreitando-te; mas, tu deverás dominá-lo'” (Gênesis 4, 3-7).

A gente tem sempre que se fazer esta pergunta: “Por que eu estou com raiva? ” Não há necessidade para isso porque o mal está no outro e não em você. Se você não fizer o bem o mal ficará batendo à sua porta. Nós não podemos deixar que ele tome conta de nós. Saia correndo, não o deixe dominá-lo. O mal não pode dominar você. Repito: Faça o bem.

Nós precisamos sempre olhar para o calvário e lá podemos ver a maior manifestação de amor, o maior bem que alguém já fez por nós. O Senhor derramou Seu Sangue por nós. Quem tem de estar dentro de nós é Jesus Cristo e não o demônio!

Nós somos novas criaturas em Jesus Cristo. Domine esse ódio, não o deixe tomar conta de você. Cabe a Deus que essa pessoa por quem você alimenta esse ódio se encontre com Ele, mas não cabe a você a vingança. Peça ao Senhor que não deixe que esse mal dominar você.

O cristão é o “bobo do mundo”, porque todos vão chamá-lo de bobo por você não querer se vingar. Jesus foi chamado de bobo quando foi levado à cruz. Portanto, nós também somos bobos. Somos os bobos que vão conquistar o Reino dos Céus e não vamos deixar que uma bobeira como o ódio nos tire do caminho do Senhor.

Homilia de padre José Augusto

Missionário da Comunidade Canção Nova


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários

Novembro

40%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários