19 dez 2009

O NASCIMENTO DE JOÃO BATISTA É ANUNCIADO Lc 1,5-25

O Evangelho começa no templo e apresenta o sacerdote Zacarias e sua mulher Isabel da descendência de Abraão. É um casal justo mas que não tem filhos: Isabel é estéril e os dois já são velhos. Isto mostra também a esterilidade do sacerdócio que não consegue mais produzir efeitos de conversão no povo. Os sacerdotes exerciam mais uma profissão do que uma vocação. Mesmo vivendo o rigorismo da Lei e sendo justos, Zacarias e Isabel pareciam incapazes de gerar o novo. Mas o novo está por vir…

O anjo diz a Zacarias para colocar no seu filho o nome de JOÃO (Johanan = Deus é favorável). Zacarias não entende como poderá ter um filho. Então, o anjo impõe uma mudez a Zacarias. É o silêncio de Deus para um sacerdócio descrente. Pode ser também o silêncio do templo que não consegue dizer nada a seu povo.

No sexto mês acontece a Anunciação. Maria “encontra graça diante de Deus”. É ela quem vai gerar o novo, que vai acreditar na promessa de Deus. Maria concebeu primeiro no seu ventre e pôde gerar e dar Jesus ao mundo.

Logo, Maria se põe A CAMINHO para ajudar sua prima na gravidez. Vai até a cidade de Isabel, enviada pela força do Espírito que a fez templo do Verbo de Deus. Isabel, ao abraçar Maria, recebe por intermédio dela o Espírito Santo. Isabel entende que é a visita não só da prima, mas de sua senhora, mãe do Messias…

Maria entoa o seu canto de alegria e vitória. Este canto, que magnifica Deus, é o resumo da ação de Jesus e da misericórdia do Pai. Por isso, o Magnificat é o Evangelho de Maria, é a boa notícia do Pai (seu Filho) testemunhado por Maria, a nova mulher…

Acontece o nascimento de João Batista, que não recebe o nome do Pai, pois ele não será o continuador de coisas antigas. Recebendo o nome de João, já se vê um prenúncio do novo. João Batista é a “dobradiça” que liga o Antigo Testamento ao Novo Testamento.

Jesus vai nascer de forma simples e receberá como visita os pastores. Estes eram homens acostumados com o “novo”, sempre andarilhos e de prontidão. Não eram de vida sedentária…

Jesus cresce e já dá sinais de sua filiação divina. Maria, contudo, ouve silenciosa, guardando para si cuidadosamente todos os acontecimentos e meditando-os profundamente em seu coração. Estava imersa em Deus…

Encerra-se o tempo da promessa, o tempo dos profetas anunciando o Messias libertador. Termina o Antigo Testamento. Isabel experimenta a força do Senhor. Deus suscita um novo profeta, João Batista, que na verdade, não pronunciará uma salvação futura, mas preparará o caminho para o prometido. Simeão pode retirar-se; a promessa está realizada. O Espírito que inspira João é o mesmo que faz Maria conceber o Messias no seu seio.

Assim nasce Jesus: desconhecido pelo mundo, mas acolhido e louvado pelos pobres, os pastores. Percorre como criança os caminhos do seu povo – e da Lei – até chegar o dia de iniciar sua missão.

Pai, atendendo à oração de Zacarias, manifestaste tua misericórdia para com o justo sofredor. Sê também benévolo diante das nossas angústias.

Comentários