03 fev 2010

O milagre se dá em nós e por meio de nós

Jesus volta à Sua terra natal, onde se criou e está acompanhado de Seus discípulos. Aliás,  o Senhor sempre se encontra com Seus discípulos. Na verdade, lugar de discípulo é sempre ao lado de seu Mestre.

Somos – pelo menos nos dizemos ser – discípulos de Jesus. Ao lado de quem nos encontramos? Estamos com o Mestre Jesus fazendo Sua vontade e escutando Sua Palavra? Na verdade, precisamos entender que nossa vocação primeira – independentemente do estado de vida que nos encontramos – é estar com o Mestre, como o apóstolo João. Temos um chamado, que é o chamado primeiro: ‘estar com o coração colado no coração do Mestre; o lugar da nossa cabeça, espiritualmente falando, é apoiada no colo de Jesus! Ele volta para casa (Nazaré).

Falar em casa é sempre muito profundo, muito forte, pois toca diretamente na nossa história; história esta que é de salvação. Muitas vezes, nos perguntamos: ‘O que fez Jesus dos doze anos até seus trinta anos quando iniciou a vida pública?’. Simplesmente fez aquilo que de mais importante poderia fazer: viveu, ou seja, intensamente viveu o plano de Deus em Sua vida, preparando-se para a missão. Esta preparação já era o início da missão. Preparou-se em meio aos Seus, em casa, no lar de Nazaré, na simplicidade da vida e na profundidade do relacionamento com o Pai.

As maiores experiências de Deus, os maiores encontros que fazemos com Ele, dão-se nas realidades mais simples da vida. É na simplicidade que Deus sempre nos falou e nos fala. Aliás, é como o amor demonstrado nas pequenas coisas do dia a dia – quem é casado sabe do que falo -, pois grandes coisas qualquer pessoa desesperada faz. Agora, nas pequenas coisas é que o amor é realizado e demonstrado verdadeiramente.

Nesta perspectiva, entendemos o porquê de “tão poucos milagres” acontecerem em nossa vida. O demônio, pelo pecado, infelizmente, trabalhou os nossos olhos espirituais, fazendo com que não venhamos a saborear e a perceber os milagres – que são muitos – acontecendo na nossa vida; principalmente os milagres que Deus realiza por meio daqueles que se encontram tão perto de nós, nossos mais íntimos, nossa família.

Jesus lhes dizia e diz a cada um de nós que “um profeta só não é estimado em sua pátria, entre seus parentes e familiares”. Isso é muito sério! Jesus sempre operará milagres e prodígios na nossa vida utilizando-se de uma mediação humana. Convençamo-nos disso definitivamente! É nas realidades concretas da nossa vida que o milagre acontece. Mas precisamos pedir a cura. Não somente da garganta – hoje celebrando a memória de São Brás –, mas dos nossos olhos, pedindo ao Senhor a graça de enxergarmos tudo e todos a partir da ótica do Coração de Jesus. “Vê bem, quem vê com os olhos do coração; pois o essencial é invisível aos olhos”, já dizia o Pequeno Príncipe. Nossa casa e nossa família precisam ser lugares de milagres. Para isso, no entanto, precisamos sair de nós mesmos, de nossos preconceitos, de nosso individualismo e orgulho para irmos ao encontro do outro.

Muito mais do que realizarmos milagres por meio do Senhor, vivamos a nossa vocação: ser um milagre para os outros, principalmente para aqueles que mais precisam, aqueles que estão muito perto de nós.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários