30 nov 2009

O DIA E A HORA SÃO O SEGREDO DO PAI! Mc 13,33-37

Entramos em novo tempo litúrgico, o tempo do Advento e as palavras VIGIAI e ORAI constituem uma constante da Igreja ontem e hoje. Eis alguns exemplos: Marcos, no Getsêmani, põe nos lábios de Jesus a repreensão dirigida a Pedro: Simão estás dormindo? Não foste capaz de vigiar por uma hora? Vigiai e orai para que não entreis em tentação: pois o espírito está pronto, mas a carne é fraca (Mc 14,17). A mesma recomendação a encontramos em Mateus 26, 41. A vigília sem a oração é inútil ou prejudicial. Os banquetes da época celebravam-se durante as horas noturnas. Tanto romanos como judeus vigiavam, porém, de forma diversa à dos cristãos. Eram célebres os banquetes entre fariseus ao entardecer da sexta feira, ou seja, ao iniciar-se o sábado ( Lc 14, 13 ).

Assim entendemos a explicação de Lucas, em que Jesus admoesta os discípulos para ficarem de sobreaviso, para que seus corações não fiquem atordoados pela embriaguez, pelas orgias e pelos cuidados da vida, de modo a cair sobre vocês esse dia, repentinamente, como uma cilada (Lc 21,34). Daí também a oração que se pede que acompanhe a vigília.

Em 1 Tes 5,4-9: Vós, porém, meus irmãos, não andeis nas trevas, de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão , pois que todos vós sois filhos da luz, filhos do dia. Não somos da noite, nem das trevas. Portanto não durmamos, a exemplo dos outros; mas vigiemos e sejamos sóbrios. Quem dorme, dorme de noite. Nós, pelo contrário, que somos do dia, sejamos sóbrios, revestidos da couraça da fé e da caridade, e do capacete da esperança da salvação. Sem dúvida que os que vigiam ou estão despertos são os que não dormem à noite. A sobriedade é porque os banquetes celebravam-se à noite e geralmente demoravam durante todo o período numa espécie de orgia de vinho e luxúria. Com o raciocínio anterior, as metáforas usadas por Paulo permitem entender melhor o texto de Marcos e o de Lucas, que sem dúvida contêm certas explicações explícitas (Lc 21,34-36) e que temos explicado anteriormente. Por isso, Lucas exorta a ficar acordado, orando em todo momento, para ter a força de escapar de tudo o que deve acontecer e de ficar em pé diante do Filho do Homem. Esta oração-vigília, é recomendada por Paulo em Ef 4,2: Perseverai na oração, vigilantes, com ação de graças. A impressão que temos hoje após a história iluminar as palavras de Jesus é de que os primeiros cristãos foram dominados pelo estilo apocalíptico, de medo e apreensão, o que acontece também agora em grande número de cristãos e é aproveitado, sobretudo por determinadas seitas. Os apóstolos tiveram, porém, que acalmar os ânimos de modo a devolver paz e confiança, deixando uma porta aberta a um saudável temor.

Que mensagem encontramos neste evangelho para os dias de hoje? Tendo como fundo a segunda vinda em majestade ou poder de Jesus, vista do ângulo do castigo divino a Jerusalém, podemos refletir em três idéias chaves no Evangelho de hoje. A primeira é de que na ausência do Mestre, todos e cada um dos seus discípulos em particular receberam um poder para realizar o seu trabalho na propagação do Reino. Uma segunda recomendação é a vigilância. Significa estarmos atentos para que o dia da volta do Senhor não encontre seus servos despreparados, dormindo, como poderia ser o caso do porteiro que não sabia a hora da volta de seu amo. A vigilância era necessária porque a vinda era um castigo como foi o dilúvio nos tempos de Noé (Gn 7) ou o incêndio das cidades pecadoras de Sodoma e Gomorra (Gn19).

Quando as forças humanas tanto intelectuais como biológicas pareciam insuficientes, temos a força divina que sempre nos acompanha, mas que é necessário pedir. Deus não age primária e solitariamente. Ele espera ser rogado, porque assim nós encontramos em nossa impotência a poderosa presença de Deus. A oração confirma nossa insignificância e afirma nossa fé.

Nos tempos atuais a proximidade de um juízo e castigo divinos parecem estar fora do marco da História. Mas não é verdade. As muitas guerras, as violências de todo gênero, as calamidades dos fenômenos da natureza exigem que pessoalmente estejamos preparados por meio da vigilância que o apóstolo pedia (1 Ts 5) e a oração que sempre é companheira e guia de nossas vidas. A nossa morte é sempre incerta e será o início de nosso julgamento final. Portanto, vigiai e orai que o Senhor em breve chegará.

Senhor Jesus, que eu esteja vigilante à tua espera, para ser encontrado perseverante no amor e cheio de esperança de ser acolhido por ti.

Comentários

Outubro

42%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários