10 maio 2012

O amor de Deus se traduz em alegria

Fazendo uma revisão geral do Evangelho de João, verificamos que, demoradamente, Jesus dialoga com os Seus discípulos, abrindo-lhes horizontes para melhor entenderem o mistério do Deus presente na história da humanidade.

A vinda de Jesus, em meio a nós, é a máxima prova de Seu amor por nós. Deus Pai mostrou Seu amor por Seu Filho comunicando-Lhe a plenitude de Seu Espírito quando O batizou no Rio Jordão.

O Espírito Santo desceu sobre Jesus como uma pomba em seu ninho, convertendo-O no ninho do amor de Deus. Deste mesmo modo, Jesus demonstrou o Seu amor pelos discípulos no Evangelho de hoje, ou seja, comunicou-lhes o Espírito que está n’Ele, esse rio de vida que flui do interior do cristão e que sacia a sede do coração humano.

Permanecer no amor de Jesus é inserir-se nessa dinâmica de amor e vida entre o Pai e o Filho. Partindo de uma adesão pessoal, o “permanecer no amor de Jesus” significa uma inserção na comunidade dos discípulos. Cristo permanece no amor do Pai, ou seja, Ele observa e cumpre o que Deus mandou. Não se trata de uma obediência “cega”, como a de  alguém que ocupa um cargo inferior em relação a seu superior, mas de uma amorosa união de vontades.

Portanto, a união e a permanência em Jesus – Videira no Evangelho de ontem – é a garantia do nosso amor para com Ele. É preciso permanecer no amor de Cristo, assim como Ele permanece no amor de Seu Pai. Tudo isso deve traduzir-se em alegria, numa visão positiva da vida,  num taxativo ‘não’ à desesperança, ao pessimismo, ao medo e ao temor.

Não há realidade alguma que não possa ser mudada com amor e pelo amor. Lembro-o que o amor é o vínculo da perfeição, pois gera vida e proporciona alegria. Como cristão, você deve viver alegre, porque a alegria é o resultado de uma vida vivida com amor, de uma vida que gera esperança. Essa foi a alegria de Jesus. Ele deseja que também seja a nossa.

Ame e você será perfeito.

Padre Bantu Mendonça

Comentários