19 ago 2011

Cristão é aquele que vive o amor de Cristo

Rezando e lendo o Evangelho, indo à Santa Missa aos domingos e dias santos de guarda, pensando nas Três Pessoas da Santíssima Trindade, ouvindo e divulgando a Sua Palavra, acreditando em Jesus. De que modo amamos as pessoas que fazem parte do nosso dia a dia na família, na escola e que são próximas a nós?

Respeitando, evitando uma briga, não roubando, não prejudicando, sorrindo, cumprimentando, perdoando, tolerando, ajudando, demonstrando interesse pela pessoa em questão, compreendendo-a, falando bem dela, mostrando-lhe seus erros, corrigindo-a sempre que necessário, não sendo falso – mas amigo de verdade, – não fazendo fofoca, não estragando as coisas dos outros, não fazendo bagunça durante as aulas, não tendo inveja e não desejando o mal a ninguém, não fazendo brincadeiras de mau gosto, obedecendo aos professores e pais, tendo compaixão e ajudando os cegos, mendigos, paralíticos e tantos outros.

Assim como, sendo honestos, dando esmola a um pobre, não mentindo, não sendo fingido, não caluniando, não guardando rancor, não tendo ódio, não sendo preguiçoso, não divulgando os defeitos dos outros, não ofendendo, não fazendo gozação, enfim, procurando acertar mais e errar menos, querendo para os outros exatamente o que desejamos para nós.

Cristão é aquele que vive o amor de Cristo e trabalha para construir um mundo melhor, combatendo as coisas erradas, por exemplo. O cristão cresce, ou se valoriza como pessoa, quando ele se preocupa com o verdadeiro desenvolvimento dos outros. Quando procura viver como irmão. E é esse amor fraterno que dá sentido à nossa vida e à vida de outras pessoas.

Mas será que vivemos sempre esse amor fraterno? Será que em nosso dia a dia na família, na escola e no trabalho nos esforçamos realmente para que este mundo seja melhor?

Recebemos de Deus a tendência natural de fazermos o que Ele nos manda, de maneira que não podemos nos revoltar – como se Ele nos pedisse uma coisa extraordinária, – nem nos orgulhar, como se déssemos mais do que aquilo que nos é dado.

Ao recebermos de Deus o mandamento do amor, possuímos imediatamente, desde a nossa origem, a faculdade natural de amar. Não foi a partir do exterior que fomos por ela formados; e isso é evidente, porque procuramos naturalmente aquilo que é belo; sem que no-lo ensinem, amamos aqueles que nos são aparentados, pelos laços do sangue ou de uma qualquer aliança. Enfim, de boa vontade damos provas de benevolência aos nossos benfeitores.

Ora, haverá coisa mais admirável do que a beleza de Deus? Haverá desejo mais ardente do que a sede provocada por Deus na alma purificada, que exclama com emoção sincera: “Desfaleço de amor” (Cant 2,5)? Esta bondade é invisível aos olhos do corpo, só podendo ser captada pela alma e pela inteligência. Sempre que iluminou os santos, deixou neles o aguilhão de um grande desejo, a ponto de eles exclamarem: “Ai de mim, que vivo no exílio” (Sl 119,5), “Quando poderei eu chegar, para contemplar a face de Deus?” (Sl 41,3), “Desejo partir para estar com Cristo” (Fil 1,23) e “A minha alma tem sede do Senhor, do Deus vivo” (Sl 41,3).

É assim que os homens aspiram naturalmente ao belo. Mas aquilo que é bom é também supremamente amável; ora, Deus é bom. Portanto, se todas as coisas procuram o que é bom, todas as coisas procuram a Deus. Se o afeto dos filhos pelos pais é um sentimento natural, que se manifesta no instinto dos animais e na disposição dos homens para amarem as mães desde tenra idade, não sejamos menos inteligentes do que as crianças, nem mais estúpidos do que os animais: não nos apresentemos diante de Deus que nos criou como estrangeiros sem amor.

Mesmo que não tivéssemos compreendido, pela Sua bondade, quem Ele é, devíamos ainda assim, apenas pelo fato de termos sido criados por Ele, amá-Lo acima de tudo, e permanecer ligados à memória do que Ele é, como as crianças permanecem ligadas à memória de sua mãe pelo amor que essa lhe dedicou.

Só o amor de uma mãe pode tornar agradável a Deus a ação do homem: “Compreendo tão bem que somente o amor pode nos tornar agradáveis ao Senhor, que isso constitui minha única ambição. O amor é tudo” (Santa Teresinha do Menino Jesus).

O homem poderia fazer coisas grandiosas, mas sem o amor, estas permaneceriam vazias, completamente desvitalizadas como um corpo sem alma. Seu valor não depende da grandiosidade, mas do amor com o qual foram idealizadas e realizadas. O amor é o único elemento que pode plasmar e dar finalidade dignamente a todo o agir humano.

Com amor, não caminho apenas, ponho-me a voar.” (Santa Teresinha do Menino Jesus). Você já compreendeu que só o amor que você viver será agradável a Deus? Como você tem vivido o amor para com o próximo? Você sabia que ser santo é amar? De que modo você ama a Deus?

Pai, grava no meu coração o mandamento do amor a Ti e ao meu semelhante, de modo que toda a minha ação encontre sentido nesta dupla fidelidade.

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários

Setembro

52%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários