04 mar 2011

Nosso corpo, templo de Deus

No Evangelho de hoje, Cristo toma uma atitude surpreendente. Pois o Jesus que conhecemos anteriormente é Aquele que sempre se mostrou manso e humilde de coração, paciente e misericordioso com os pecadores. Hoje, porém, assume uma atitude que parece impulsiva e levada pela paixão do momento. No entanto, se observarmos com mais cuidado, veremos que não foi assim. Embora sendo o mais resumido de todos, o evangelista Marcos relata um pormenor que não aparece em nenhum dos outros três Evangelhos. O pormenor é este: “Chegou a Jerusalém e entrou no templo. Depois de ter examinado tudo em seu redor, como a hora já ia adiantada, saiu para Betânia com os Doze” (Mc 11,11) Ou seja, Nosso Senhor entrou no templo, viu a confusão que lá estava, mas não agiu no mesmo dia. Foi para Betânia, com os discípulos e passou lá a noite. Só no dia seguinte fez a purificação do local [templo], com um chicote de cordas feito por Ele.

Isso quer dizer que não foi uma atitude de impulso descontrolado, mas algo que provavelmente tenha sido objeto de Sua oração durante a noite, de Sua conversa com o Pai, por prezar pelo zelo de Sua casa.

Quando interrogado sobre a autoridade com que fazia aquilo e qual sinal dava de que poderia proceder assim, Jesus disse: “Destruí este templo, e em três dias Eu o levantarei!” Replicaram então os judeus: “Quarenta e seis anos levou este templo a construir, e Tu vais levantá-lo em três dias?” Ele, porém, falava do templo, que é o Seu Corpo (cf. Jo 2,19-21). Nosso Senhor estabelece, assim, uma analogia entre o Seu Corpo e o templo. São Paulo dirá também que esse Corpo de Cristo somos nós os batizados: “[…] assim acontece conosco: os muitos que somos formamos um só corpo em Cristo, mas, individualmente, somos membros que pertencem uns aos outros” (Rm 12,5). E ainda: “Não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, porque o recebestes de Deus, e que vós já não vos pertenceis? Fostes comprados por um alto preço! Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo” (1 Cor 6,19).

Mas a que corpo Jesus faz alusão hoje? É o meu e o seu, caro amigo. Cristo, reclamando pelos maus-tratos a que submetemos o nosso corpo, manchando-o e o profanando com os vícios do alcoolismo, da droga, da prostituição, adultério, fornicação, do homossexualismo, da bruxaria, feitiçaria, da criminalidade, das brigas e desavenças familiares pega no chicote e quer expulsar de nós tudo isso. Ele não quer que nos tornemos um covil de ladrões. Porque sendo nós batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, somos o Seu templo. E por isso, Jesus Cristo tem todo o direito de purificá-lo [esse templo], ou dito de outro modo: temos o direto de que Ele nos purifique.

Pai, ensina-me a viver a religião pura e agradável a Ti. Cheio de fé e disposto a perdoar e a viver reconciliado, que eu possa rejeitar tudo o que desvirtua a verdadeira religião para que me deixe purificar pela Tua Palavra e jamais me deixe levar pelos vícios e atrativos do mundo que profanam o meu corpo, templo do Vosso Filho Jesus, meu Salvador. Amém!

Padre Bantu Mendonça

Fonte: Retirado do Blog do padre Bantu

Comentários