21 out 2010

Não vim trazer a paz!

Uma das realidades mais maravilhosas e ricas que podemos e devemos perceber na Palavra do Senhor é o fato de que aquele que recebe em sua vida um enviado, recebe também Aquele que o enviou; e quem recebe o Cristo – Aquele que envia – recebe o próprio Pai.

Há muitas maneiras de recebermos os enviados de Cristo – sejam quais forem eles, independentemente de seu estado de vida: sacerdotes, religiosos, leigos no matrimônio e os consagrados. Receber não é somente dentro de um espaço físico, mas no coração, respeitando profundamente Aquele que os enviou na pessoa de cada enviado. Mas quantas calúnias, piadas, brincadeiras de mau gosto, perseguições e difamações frente aos enviados de Jesus! Diretamente, isso fere o coração do Senhor que os enviou e ao Pai.

Como estamos recebendo este missionário em cada um de nós? Muitas e muitas vezes, o mundo não nos respeita, porque não respeitamos e acreditamos naquilo que está em nós. Como exigiremos respeito? Nem falo na realidade de testemunho!

Jesus, na Palavra de hoje, é incisivo ao dizer: “Não vim trazer a paz”. A paz é uma realidade que não vem de fora para dentro, mas de dentro para fora, ou seja, paz é fruto da justiça. Há algo mais justo do que sermos aquilo que devemos ser, ou seja, santos, homens e mulheres íntimos de Deus? Paz é fruto da caridade. Há algo de maior caridade do que morrermos sempre para os irmãos, fazendo com que eles tenham sempre a vez e a prioridade? Paz é fruto do serviço. Há algo que traga mais paz do que constantemente servirmos os nossos irmãos, principalmente aqueles que mais precisam? Paz é fruto do perdão? Há algo que traga mais paz do que o perdão que somos chamados a dar constantemente?

Para isso, é preciso que tenhamos a coragem de morrer pelo irmão a ponto de não nos preocuparmos mais com nada, somente com o projeto de Deus na nossa vida. O discipulado consiste em seguir esta via, pois outra não existe! O discípulo, antes de querer ser acolhido como enviado, ele é o primeiro a acolher em si o chamado e responder a este chamado com generosidade; é o primeiro a acolher em vez de ser acolhido; é o primeiro a proporcionar a paz em vez de querer e exigir paz; é o primeiro a dar uma resposta diferente diante daqueles que o perseguem, a começar pelos seus familiares.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

Comentários