07 jul 2010

Missão para a evangelização*

A segunda recomendação de Jesus aos Seus missionários refere-se ao conteúdo do Seu anúncio: “Proclamai que o Reino dos céus está próximo”. Assim tinha começado a Sua pregação. A mensagem essencial que a Igreja deve transmitir hoje é a Boa Nova de que Deus ama o homem, convida-o à fé, à Sua amizade, à Sua adoção filial e à fraternidade humana mediante o seguimento de Cristo, que é o Homem Novo.

Jesus não foi um revolucionário de estilo violento, nem um político cheio de ideologias, nem um antropólogo humanista… Contudo, a esperança teologal e humana que Seu anúncio do Reino despertou nos corações vazios de si e abertos a Deus também não foi angelical e desapegado da dura realidade cotidiana, que Ele assumiu e transformou com a Sua encarnação na raça humana.

Revendo, por exemplo, o discurso da montanha, cujo prólogo são as bem-aventuranças, damos conta da sua carga explosiva e revolucionária, mas em profundidade e para o interior da pessoa. É o coração que há que converter aos novos critérios e valores da justiça do Reino de Deus. Convertido o homem, podem transformar-se as estruturas sociais; porque remodelando o homem reconstrói-se o mapa do mundo.

A missão salvadora e a tarefa evangelizadora de Jesus ficaram nas nossas mãos por delegação Sua, embora com a assistência do próprio Jesus por meio do Seu Espírito. “A evangelização constitui a felicidade e a vocação própria da Igreja, a sua identidade mais profunda. Ela existe para evangelizar, isto é, para pregar e ensinar, ser canal do dom da graça, reconciliar os pecadores com Deus e perpetuar o sacrifício de Cristo na santa missa, memorial da sua morte e ressurreição gloriosa”.

Todos os membros da Igreja, tanto os que presidem, como o povo de Deus, necessitamos de uma profunda catequese sobre a nossa missão evangelizadora sobre o serviço evangélico e sobre a própria Igreja como comunidade de homens e mulheres que, apesar da fragilidade humana, seguem, anunciam e testemunham Cristo.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

*Cf. B, CABALLERO. A Palavra de cada dia; p. 424. Paulus: 2000.

Comentários