03 abr 2012

Jesus tem sido verdadeiramente glorificado em nossa vida?

Estamos no dia mais movimentado do ministério público de Jesus. Trata-se da última terça-feira vivida por Ele, antes da Sua morte na cruz.

O dia começa bem cedo, com a saída de Jesus e Seus discípulos de Betânia a caminho de Jerusalém, e termina à noite, durante um jantar em Betânia, no qual Maria unge Jesus para a sepultura e Ele aponta o traidor. Durante esse jantar, Cristo delineia o conteúdo do novo mandamento e Judas sai, possuído por Satanás, para trair o seu Mestre, entregando-O aos principais sacerdotes e capitães do templo. Infelizmente, Judas é uma peça na articulação dos chefes religiosos do templo e das sinagogas ao planejarem a morte de Cristo.

Tendo sido configurado o ato da traição de Judas, Jesus anuncia a glorificação do Filho do Homem. É a manifestação plena do Seu amor até o fim, sem limites. A partir da traição do discípulo, tem início a glória de Jesus, ou seja, Sua Paixão, Morte e Ressurreição, a obra de Sua vida em plenitude, pela qual nos tornamos eternamente perfeitos.

O dia está cinzento e nublado por causa das acusações recebidas e também das respostas dadas pelo Senhor às ardilosas questões dos fariseus, saduceus e herodianos sobre a Sua autoridade, ressurreição dos mortos, tributos e o grande mandamento. Aqui também acrescenta-se o discurso escatológico de Jesus, a profecia da destruição de Jerusalém, ensinamentos sobre a segunda vinda, condenação dos ímpios e galardão dos salvos.

É um dia terrivelmente desgastante e só Jesus poderia concretizá-lo. Ele foi fiel, concreto e objetivo. Nada deixou por fazer.

É Terça-feira Santa. Jesus vislumbra já a Sua futura trajetória, na qual, com a cruz às costas e com um sorriso nos lábios, dirá: “Está consumado!”.

O evangelista João dirá, várias vezes, que Judas era um ladrão. Logo, alguém de caráter duvidoso, de quem se podia esperar tudo. A traição seria apenas mais uma manifestação da personalidade malsã desse discípulo. Os Evangelhos, em geral, referem-se a Judas como alguém que vendeu sua própria consciência ao aceitar entregar o Mestre por um punhado de dinheiro.

Entretanto, é possível suspeitar de outras razões para essa atitude tresloucada. Será que Judas entendeu, de fato, o projeto de Jesus? Terá sido capaz de abrir mão de seus esquemas messiânicos para aceitar Jesus tal qual se apresentava? Estava disposto a seguir um Messias pobre, manso, amigo dos excluídos e marginalizados, anunciador de um Reino incompatível com a violência e a injustiça?

Judas esperava tirar partido do Reino a ser instaurado por Jesus. Vendo frustrado o seu intento, não teria tido escrúpulo ao trair o Mestre? Uma coisa é certa: Judas –  como muitos de nós – estava longe de sintonizar-se com Jesus. Algo parecido acontecia com Pedro, que haveria de negá-Lo. A diferença entre os dois é que Pedro recuou, mas se converteu à misericórdia do Senhor.

Meu irmão, o texto de hoje nos revela a festa já da Última Ceia. São João vai interpretando os acontecimentos de maneira simbólica: por meio do pedaço de pão molhado, Satanás entra em Judas; já era noite, a morte de Jesus é a Sua glorificação; Pedro segue o Mestre depois, mas antes O nega. Espiritualmente, ele está com vontade e desejo de seguir o Senhor, mas a carne o impede de fazê-lo.

Jesus está cada vez mais abandonado pelos homens, ao mesmo tempo em que é o Salvador deles, por isso não olha para trás e segue o Seu caminho. Ele sabe que chegou a hora da glorificação do Filho do Homem: “Agora, a natureza divina do Filho do Homem é revelada e, por meio dele, é revelada também a natureza gloriosa de Deus. E, se por meio dele a natureza gloriosa de Deus for revelada, então, Deus revelará em si mesmo a natureza divina do Filho do Homem. E Deus fará isso agora mesmo” (cf. Jo 13,31-32).

Depois da rejeição dos meios oficiais, vem agora a traição e a negação dos Seus. Essa foi a atitude dos dois discípulos: Judas e Pedro. Mas, muitas vezes, é a nossa atitude também.

Quantas vezes, depois de um emprego adquirido ou de um casamento tão almejado, de um filho desejado ou depois da conquista de uma casa própria, enfim, após uma graça recebida, colocamos Jesus de lado? O que é mais grave: trocamos o Senhor pelos bens temporais e, assim, O negamos.

Olhemos para nós e nos perguntemos se somos fiéis ao Evangelho e se o testemunhamos no mundo de hoje.

Padre Bantu Mendonça

Comentários