15 mar 2008

JESUS NO TEMPLO Lc 2,41-51a

A narrativa de Jesus entre os doutores encerra o chamado evangelho da infância, indicando sua identidade e missão.  Está centrada na indagação que supõe uma afirmação cristológica cuja verdade é inegável para a fé: Não sabíes que devo na Casa de meu Pai?  Deste modo, Jesus começa a revelar-se mediante a alusão ao relacionamento especialíssimo com Deus seu Pai.  Esta relação Pai-Filho há de caracterizar suas opções e todas as suas opções e todas as suas ações.  Por isso, a narrativa não só encerra uma etapa – a infância – mas nos introduz dinamicamente no modo cristológico de leitura do que será narrado a seguir.  Mais do que curiosidade ou reconstituição de palavras e fatos, trata-se de ler os ditos e feitos em sintonia com a decisão de Jesus em cumprir a vontade de projeto salvífico do Pai, no Espírito Santo.

A união de Jesus com o Pai explica sua sabedoria.  Tal sabedoria é revelada precisamente no templo, a casa do seu Pai, em meio aos doutores, mestres ou sábios, ouvindo e também perguntando e, sobretudo, causando admiração pela profundidade de suas respostas.  Participa, pois, da discussão conforme o método das escolas rabínicas, após ter completado doze anos, iniciando sua maturidade, como qualquer jovem judeu, crescendo em sabedoria, estatura e em graça, diante de Deus e dos homens, mas já revelando o que durante a vida pública será uma das marcas de seu ministério profético: o ensinamento constante com sabedoria e autoridade.

A surpresa da Mãe, a angústia da procura de José e de Maria diante da perda e a incompreensão da resposta dada por Jesus convidam à reflexão da pergunta por ele formulada: Não sabíeis…?  A resposta é o próprio segredo de Jesus a ser desvendado progressivamente em sua vida pública, máxime na morte e na ressurreição.  Segredo que consiste precisamente no ocupar-se das realidades do Pai a nosso favor: seu plano salvífico.  Mesmo retornando a Nazaré, sua cidade, e sendo submisso a Maria e a José, o prioritário na vida e na missão de Jesus não podia ser condicionado por sua família.  Sem dizer explicitamente, Lucas nos faz entrever que a missão de Maria e de José aos poucos há de chegar ao cumprimento.  A autonomia de Jesus em relação a ambos e a todos só se daria após o batismo como ato inaugural de sua tal liberdade em face à missão, ao ser acolhido, autorizado e confirmado pelo próprio Pai como Filho bem amado.  Nesse sentido, é possível também compreender por que o evangelista alude ao fato que Jesus crescia, pois o tempo da verdadeira maturidade ou da autonomia e da plena manifestação ainda não chegaria.

Embora sendo o Filho do Altíssimo, o Messias viverá a condição humana integralmente.  Veja: o menino crescia, tornava-se robusto, enchia-se de sabedoria e a graça de Deus estava com ele.  Portanto Jesus experimentará as leis naturais do crescimento, tanto no plano físico quanto no espiritual.  Passando pelas etapas normais da infância e da adolescência até chegar à maturidade, viverá sua missão num extraordinário esvaziamento da sua condição divina.  Por isso, Nazaré, sua cidade, é o símbolo forte da vivência em família na qual expressa, no silêncio ou no ocultamento, a sua fidelidade incondicional ao Pai dentro da absoluta fidelidade à sua condição humana. 

Comentários

Outubro

42%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários