11 maio 2011

Eucaristia, alimento para a eternidade

Após a partilha do pão, Jesus, num discurso, se descreve como sendo o pão que dá a vida eterna: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede“. Aqui vemos uma expressa declaração de Cristo do que realmente Ele é para nós. Diferente do maná que nossos pais no deserto comeram e morreram.

Jesus revela-se como dom do Pai, ou melhor, como pão do Pai: “É o meu Pai quem vos dá o verdadeiro pão do Céu, pois o pão de Deus é aquele que veio do Céu e dá vida aos homens” (Jo 6,32-33).

Portanto, o Senhor define a si próprio como Pão da Vida, que é preciso ser comido com fé: “Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não mais terá fome e quem crê em mim jamais terá sede” (Jo 6,35); E reafirma com insistência a Sua identidade como Pão da Vida oferecido para ser comido, não obstante a murmuração dos judeus diante de Suas palavras.

Ao dizer: “Eu sou o pão que desceu do Céu” (Jo 6,41) Jesus revela o significado desta expressão quando explicita o que Ele é: “Eu sou o pão que dá vida… Este é o pão que desceu do Céu; se alguém comer dele, não morrerá. Eu sou o pão vivo, o que desceu do Céu”.

A vontade do Pai, ao enviar o Filho, é que quem vê o Filho, ouve Suas palavras e ações e n’Ele crê, seguindo Seus passos, tenha a vida eterna.

Para nós cristãos, comer o Pão do céu significa assimilar o Seu amor e Seu exemplo de serviço, de partilha e dom da vida. Acolhamos e comamos, pois, deste Pão do céu para que venhamos a ressuscitar no último dia para a vida eterna.

Pai, transforma-me em discípulo autêntico de Seu Filho Jesus para que eu possa enxergar, receber e me transformar n’Aquele que recebo em Comunhão e assim experimente já o céu aqui na terra.

Padre Bantu Mendonça

Comentários