29 mar 2012

É feliz quem adora o Senhor e mergulha em Seus ensinamentos

Diante da incredulidade do mundo e dos desatinos que nele acontecem, dia após dia, Jesus revela a Sua verdadeira identidade: “Eu vos digo que isto é verdade: antes de Abraão nascer, eu sou” (Jo 8,58).

Ontem, assim como hoje, a maior parte dos homens não tem experiência com o amor de Deus nem observa Seus Mandamentos; como se não bastasse, alguns homens ignoram a pessoa de Jesus, procurando obter sinais e se interrogando sobre quem Ele é. Convém dizer, porém, que somente quem conhece e guarda a Palavra d’Ele pode dizer que O conhece e experimenta o Seu amor. Jesus mesmo foi quem afirmou isso aos judeus: “vós não conheceis aquele que dizeis ser o vosso Deus, mas eu o conheço e guardo a sua palavra”.

Não podemos dizer que conhecemos o Senhor se desconhecemos Sua Palavra, pois é ela que nos direciona para a vida eterna em Cristo Jesus. Quem não compreende a Palavra, quem não tem abertura para o Espírito Santo, morre na ignorância do pecado e, lamentavelmente, nunca vai conhecer Deus.

A origem e o destino de Jesus foram motivos de controvérsia para os judeus. Por um lado, o Mestre proclamava: “Se alguém guarda a minha palavra, jamais verá a morte”. Por outro lado, afirmava: “Antes que Abraão existisse, eu sou”.

Seus adversários raciocinavam de maneira aparentemente lógica. Os personagens mais veneráveis do povo, como Abraão e os profetas, morreram. Acreditava-se na volta do profeta Elias, que fora arrebatado ao céu numa carruagem de fogo. Não se tinha, porém, notícia de alguém que não tivesse experimentado a morte. Com Jesus, não haveria de ser diferente. Quanto à Sua origem, era suficiente considerar Sua idade bastante jovem para se dar conta da “falsidade” de Sua afirmação.

Esse modo de pensar estava em total desacordo com a real intenção de Jesus. Referindo-se à morte, Ele pensava em algo muito mais radical que a pura morte física. Suas Palavras abririam caminhos para a vida eterna, na comunhão plena com o Pai para além das vicissitudes dessa vida terrena.

Ao referir-se à Sua origem, não estava pensando no Seu nascimento carnal, historicamente determinável, mas na Sua vida prévia no seio do Pai. Nesse sentido, Ele pode se dizer “anterior” ao patriarca Abraão por possuir uma existência eterna.

Nesse texto, temos a conclusão do tenso e longo diálogo de Jesus com os judeus, em Jerusalém, por ocasião da Festa das Tendas. Jesus mostra-se acolhedor e reafirma o dom da vida eterna: “Se alguém cumprir a minha palavra, nunca verá a morte”. Contudo, os judeus permanecem firmes na rejeição a Cristo, tentando apedrejá-lo.

Jesus – que cumpre a Palavra do Pai – já vive a eternidade, pois “antes que Abraão existisse, eu sou”, disse Jesus àquele povo e continua dizendo o mesmo hoje. Quando essas palavras encontrarem espaço em nosso coração, significa que estamos vivendo em comunhão eterna com Jesus e com o Pai ao cumprirmos Sua Palavra, no despojamento e na partilha, na mansidão, na acolhida do irmão, na prática da misericórdia e da justiça que liberta e promove a vida.

Voltando à questão da Palavra, dizemos que o estudo das Sagradas Escrituras é o melhor caminho para conhecermos quem é Jesus, pois Ele é o Verbo, é a Palavra feito carne. Ouvi-lo é ouvir a Palavra de Deus.

Sem medo de errar, quero lhe dizer que a Bíblia é a própria Palavra do Pai dirigida a nós, a fim de que possamos conhecer o Senhor e a nós mesmos. E, assim, simultaneamente termos acesso ao Seu grande amor e misericórdia. É feliz quem adora o Senhor e mergulha em Seus ensinamentos. Você tem a Palavra de Deus como ensinamento para o seu dia a dia?

Padre Bantu Mendonça

Comentários

Setembro

55%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários