08 mar 2013

Discípulos do Amor Trinitário

Irmãs e irmãos, no Evangelho de Mc 12, 28b-34, Jesus é questionado por um escriba, o qual, aparentemente, fez-lhe uma pergunta de fácil resposta: «Qual é o primeiro de todos os mandamentos?» (v. 28b).

Na verdade, existiam 613 possibilidades de respostas, pois, na lei mosaica, identifica-se 365 proibições e 248 mandamentos no tempo de Jesus. No entanto, Cristo, o intérprete da Lei Antiga e revelador da Nova lei do Espírito (cf. Rm 8,2), fez a junção de duas passagens da Torah (Dt 6, 4-5; Lv 19, 18) e assim respondeu com sabiamente: «O primeiro é: Ouve Israel, o Senhor nosso Deus é único Senhor. Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o teu pensamento e com toda a tua força. Eis o segundo: Amarás o teu próximo com a ti mesmo» (v. 29-31). Assim o amor é manifestado como a essência da Palavra, afinal é ou não é o amor a essência de Deus?

Jesus, sendo a revelação plena do Amor Trinitário, não deixou escapar a oportunidade de dizer ao interlocutor de ontem e de hoje que fora do amor não existe interpretação correta das Sagradas Escrituras, nem do Antigo nem do Novo. Uma hermenêutica do amor é urgente e sempre atual!

Retornando ao texto bíblico, percebemos também que, pelas citações utilizadas pelo Mestre dos mestres, as Palavras não eram novidades para o povo da Antiga Aliança, mas o original, em Cristo, repousou sobre a união destas verdades em meio a tantas, a ponto de Jesus chancelar a tal inspiração com palavras contundentes: «Não existe outro mandamento maior do que estes» (v. 31).

Assim, Jesus tornou duplo o mandamento supremo do Amor, partindo – na resposta ao escriba – da oração que o judeu reza, pelo menos duas vezes ao dia: «Escuta, Israel! O Senhor, nosso Deus, é o Senhor que é um» (Dt 6,4). Confirmando, ao Primeiro Israel, o caminho da verdade revelada que move o ser humano a responder a Deus a partir da oração. Mas Jesus, pela junção das passagens bíblicas, demonstra que a falta da consciência da necessidade do amor ao próximo, torna anula – na prática – o testemunho do amor a Deus!

Quanto ao Novo Israel, uma novidade basilar é o surgimento de um novo centro que orienta quanto a vivência da Lei e os Profetas. Mais do que uma bússola hermenêutica, Ele é o próprio Filho, apresentado pela Santíssima Trindade à toda humanidade, na ocasião do início da vida pública de Jesus: «Logo que foi batizado, Jesus saiu da água. Eis que os céus se abriram e ele viu o Espírito de Deus descer como uma pomba e pairar sobre ele, e eis que uma voz vinda dos céus dizia: Este é o meu Filho bem amado, aquele que me aprove escolher» (Mt 3, 16-17). Já no alto do Monte Tabor, qual um novo sinal, o Pai confirma o Seu Messias, o qual inaugura um novo lugar de escuta: «Veio encobri-los uma nuvem, e uma voz soou, vinda da nuvem: Este é meu Filho bem-amado. Ouvi-o!» (Mc 9,7).

De fato, Cristo veio levar a Lei e os Profetas ao cumprimento, sem depender para isto de ideologias, mas de um testemunho vivaz, como o Papa teólogo, agora Emérito, ressaltou desde a sua primeira Encíclica: «No início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com um Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo.

A verdadeira novidade do Novo Testamento não reside em novas ideias, mas na própria figura de Cristo, que dá Carne e Sangue aos conceitos – um incrível realismo. Já no Antigo Testamento, a novidade bíblica não consistia simplesmente em noções abstratas, mas na ação imprevisível e, de certa forma, inaudita de Deus» (BENTO XVI, Deus caritas est, nn. 1.12).

Por fim, como fugir a esta lógica de um amor tão próximo a nós e que nos vocaciona a sermos identificados no mundo por este amor transbordado? Se assim não fosse Jesus, Sacramento do Amor do Pai, não teria revelado com a vida, palavras, gestos, sofrimentos e silêncio a Essência da Nova e Eterna Religião, na qual o relacionamento com o outro será sempre determinante para sermos ou não – para Deus e os outros – reconhecidos como verdadeiros discípulos de Jesus Cristo, como Ele mesmo deu a entender: «Nisto todos reconhecerão que sois meus discípulos: no amor que tiverdes uns para com os outros» (Jo 13, 35).

Padre Fernando Santamaria – Comunidade Canção Nova

Comentários

Setembro

50%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários