14 out 2011

Devemos sempre nos apoiar na pura bondade de Deus

Diante do ajuntamento de milhares de pessoas, com certo exagero de Lucas, Jesus fala primeiro aos discípulos. Ele aborda dois temas: a hipocrisia e o destemor.

A expressão que mais se destaca é: “Não temais: valeis mais do que todos os pássaros do mundo”

Neste Evangelho, Jesus quer nos mostrar que o olhar do Pai onisciente não nos abandona jamais.

Deus nos deixa travar o combate na medida das nossas forças. Mas, se uma dificuldade nos abate quando estamos doentes ou desencorajados, é porque nossa natureza é fraca. Então, Ele próprio faz, como é preciso e como sabe, tudo o que está no Seu poder para que sejamos socorridos. Confirma-nos secretamente tanto quanto pode, para que tenhamos a força de suportar nossas dificuldades, pois, na confiança que nos dá, Ele frustra as dificuldades e, pela visão desta fé, nos desperta para o louvor.

Contudo, se for preciso que esta ajuda secreta seja explicitada, Ele o faz, mas por necessidade. Os seus caminhos são de grande sabedoria; prolongam-se quando é preciso e necessário, mas nunca de qualquer maneira.

“Não tenham medo, pois vocês valem mais do que muitos passarinhos”. Portanto: confie, espere e tenha fé em Deus. É desta forma que Ele providencia tudo junto aos seus santos.

Não se inquiete com todo o restante; deixe nas mãos da Divina Providência o que não pode cumprir por você mesmo. São agradáveis a Deus a solicitude e o cuidado que, com discernimento, colocamos nas tarefas que temos a cumprir para conseguirmos concretizá-las da melhor maneira.

Não são agradáveis a Deus a ansiedade e a inquietação do espírito. O Senhor quer que nossos limites e fraquezas encontrem apoio na sua fortaleza e onipotência. Ele quer que tenhamos confiança, pois sua bondade suprirá a imperfeição dos nossos meios.

Ele não quer que o homem se atormente com suas próprias limitações humanas; não é preciso nos cansarmos excessivamente. Quando, de fato, nos esforçamos em dar o melhor de nós, podemos deixar o resto nas mãos d’Aquele que tem o poder de realizar tudo o que quer.

“Não temais. Até os cabelos da vossa cabeça estão contados”. Quem nos garante isto é o próprio Jesus. O nosso amabilíssimo Salvador nos assegura, em várias passagens das Sagradas Escrituras, o seu cuidado e vigilância contínuos naquilo que nos diz respeito. Ele próprio nos leva e nos levará sempre em seus braços, no seu coração e nas suas entranhas.

Tenhamos cuidado em não nos apoiarmos no poder ou na benevolência dos nossos amigos, nem nos nossos bens ou no nosso espírito, ciência, forças, bons desejos, orações, nem mesmo na confiança que pensamos ter em Deus, nem nas mediações humanas, nem em coisa alguma criada, mas unicamente na misericórdia de Deus.

Isto não quer dizer que não seja preciso nos valer das coisas a que acabamos de aludir, e que não tenhamos que pôr da nossa parte tudo o que pudermos a fim de vencer o vício, praticar a virtude, orientar e levar a bom termo os assuntos que Deus nos confiou, e assim cumprir com as obrigações que são inerentes ao nosso estado. Mas devemos renunciar a todo apoio e a toda a confiança que poderíamos encontrar nessas coisas, e nos apoiar na pura bondade de nosso Senhor. De tal maneira que, da nossa parte, devemos velar e trabalhar como se nada esperássemos da parte de Deus. No entanto, não nos devemos apoiar no nosso cuidado e trabalho, como se fizéssemos alguma coisa, mas esperar tudo unicamente da misericórdia de Deus.

Um outro aspecto que o Mestre salienta é o da hipocrisia. A hipocrisia é uma prática do farisaísmo a fim de dominar sob a aparência de santidade e honra. Como discípulos devemos estar atentos, descartar qualquer hipocrisia e tudo fazer e dizer claramente em nome da verdade, pois o medo é a outra arma do poder.

Quem nada teme é livre. Nem a própria morte o intimida. Não se abandona a missão por medo da morte. Devemos antes temer, sim, a morte interior que consiste na hipocrisia e na cobiça. Deus não se esquece de seus discípulos e os guarda na vida eterna.

Que a bondade divina nos comunique sempre a luz da sabedoria para que possamos ver com clareza e realizar os seus bons desejos com profunda convicção, em nós e nos outros, para que das suas mãos aceitemos o que nos envia, considerando o que é de maior importância: a paciência, a humildade, a obediência e a caridade.

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Comentários