16 ago 2010

Deixar tudo para ganhar tudo!

O episódio do jovem rico causou muito espanto no coração dos discípulos e continua a causar, até hoje, muito [espanto] no coração de cada um de nós que queremos seguir Jesus com toda a radicalidade da nossa vida.  O Senhor coloca como condição fundamental desta radicalidade, para quem quer segui-Lo, o vender tudo para dar aos pobres e, depois sim, querer segui-Lo. Isso quer dizer que devemos realmente vender tudo o que temos para poder seguir  o Senhor?

O evangelista, escrevendo à sua comunidade, quer trazer a cada um deles e a nós a Palavra de Jesus, não especificando o que temos de vender e com o que devemos ficar para segui-Lo verdadeiramente. O que Cristo nos quer apresentar é que, no seguimento d’Ele, nós precisamos deixar tudo aquilo que significa apego na nossa vida. O Senhor não disse que o jovem era ruim; pelo contrário. Jesus percebe que o jovem é muito bom e, por isso,  devido a realidades mais profundas que Ele quer realizar na vida desse rapaz, quer que este se desprenda de tudo que o amarra, no caso, a riqueza.

Em nossa vida, o que mais nos dificulta para seguirmos Cristo não é a dificuldade da missão em si, mas o valor que damos a tudo aquilo que não possui valor algum se comparado com a Pessoa de Jesus Cristo e a Sua proposta para cada um de nós, no caso, a verdadeira vida, a vida eterna. Tudo aquilo que está em primeiro lugar em nossa vida, que não seja o Senhor, é riqueza. Qualquer coisa, por mais que, objetivamente, não tenha valor material. Tudo! Aliás, a riqueza não está fora e, sim, dentro do coração de cada um.

Quantos apegos nós trazemos em nosso interior: de pessoas, de coisas, de cargos, etc… Tudo isso, por estar no lugar de Deus em nossa vida, vai nos amarrando, nos prendendo, criando cisões em nós; dilacera, divide, fragmenta o nosso interior e as relações que vamos adquirindo. Jesus quer mostrar que tudo nesta vida vamos perder um dia. Tudo! Nada é capaz de nos salvar. Nada!

Em Betânia, Cristo disse a Marta que Maria – pelo fato de se colocar aos pés d’Ele –  tinha escolhido a melhor parte, aquela que jamais lhe seria tirada. Ora, se o pronome está no singular, então é aquela, a única, que não poderá ser tirada de ninguém, ou seja, a fé. Esta não será tirada de ninguém, nunca! No restante, tudo perderemos. Para dizer que tudo – exceto Deus – não possui poder de nos salvar um dia. Então a pergunta é: para que tanto apego nesta vida, diante de tantas realidades insignificantes? Aliás, nesta vida, muito precisa fora quem por dentro muito vazio está!

No jovem do Evangelho, o medo foi bem maior que o desejo da vida eterna, da verdadeira vida. Por isso ele se afastou com muita tristeza. A história está aí para nos educar, para nos advertir: não devemos ficar tristes e ir embora, devemos distanciar-nos daquilo que nos amarra. Assim seguiremos a liberdade e a amplidão do seguimento de Jesus.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

Comentários