10 ago 2010

Criados e gestados para Deus

Hoje celebramos a memória de São Lourenço, que foi diácono e é mártir da Igreja. Foi sinal do Reino de Deus no trabalho em favor dos pobres. Suportou com muita firmeza a dor atroz numa grelha, depois de distribuir os bens da comunidade aos pobres, por ele chamados de verdadeiros tesouros da Igreja.

São Lourenço viveu a Palavra de Deus – e nós somos chamados a viver o seu exemplo no que se refere ao morrer pela causa do Reino – morreu como o grão de trigo que cai na terra, para que pudesse ter a vida em Deus. Quem não entrega a sua vida pela causa do Reino, este sim morre de verdade; o grão quando cai na terra morre produzindo vida; quando não cai na terra permanece somente grão. Como podemos entender isso partindo do pressuposto do batismo que recebemos, no qual fomos convidados a morrer com Cristo, para que pudéssemos ressurgir como filhos de Deus?

Uma vida surge, acontece, passa a existir, quando o espermatozóide do pai se une com o óvulo da mãe; neste instante acontece a vida, já naquela realidade chamada embrião. No nosso batismo acontece a mesma coisa, ou seja, surge uma vida: já não somos mais simplesmente algo criado, como um espermatozóide e um óvulo, mas somos uma pessoa, filho, filha de Deus. O útero onde passamos a ser formados – a partir da realidade do nosso batismo – chama-se Igreja. Na Igreja surge, acontece esta nova vida – cada um de nós – e vamos nos desenvolvendo para um dia morrer, morte esta que é nascimento para a vida eterna.

Conforme vamos nos desenvolvendo no útero materno – na Igreja – cujo cordão umbilical, realidade esta de onde provém o alimento, nada mais é que a caridade, a Eucaristia e a Palavra de Deus são nossos alimentos por excelência. Conforme nos desenvolvemos – e isso leva toda a vida – vamos nos preparando para a morte, momento do nascimento para Deus, para a eternidade.

No momento do nascimento para a eternidade – o término da nossa existência neste mundo – temos como o grande Médico, para o parto, o Cordeiro de Deus, o Filho de Deus; sairemos com muita força deste útero chamado Igreja, para nascer para Deus. Não devemos nos preocupar, pois no momento do nascimento não cairemos no chão, o Cordeiro – Médico dos médicos – nos segurará com muito amor, pois Ele não perdeu nenhum daqueles que o Pai confiou a Ele. Ao nos acolher, ensanguentados, sujos, de nossas misérias e pecados, o Cordeiro de Deus nos levará – como o médico leva a criança ao peito da mãe assim que nasce – para o colo de Deus Pai e o Pai dirá: “Filho! Este é o meu filho, Filho…! Filho, ele é teu filho, porque tu és o meu Filho…! Ele é filho em você, meu Filho…! É preciso festejar, pois o anfitrião da festa chegou: o meu filho, Filho.” Neste instante, o Pai não vê o sangue e a sujeira que trazemos, fruto de nossas misérias e pecados, mas só percebe o Sangue do Cordeiro, que se misturou ao nosso e tomou conta de nós, que acabamos de nascer para Deus.

É exatamente isso que aconteceu com São Lourenço e acontecerá com cada um de nós; para dizer que morrer como um grão de trigo significa morrer para tudo aquilo que não contribui para esta gestação que estamos vivendo no útero da Santa Mãe Igreja e conservar a vida, sem morrer, significa ficarmos presos em nós, nos abortando. Este ventre não aborta seus filhos; são os filhos que se abortam.

Diante de tamanho amor, devemos fazer uma pergunta muito séria: como temos coragem de perseguir, caluniar, não defender e não amar esta mãe, chamada Igreja, onde somos gestados para Deus? Tomemos consciência e não nos abortemos, pois somos filhos no Filho; grão de trigo na terra fértil, que é a Igreja.

Padre Pacheco

Comunidade Canção Nova

Comentários

Outubro

53%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários