26 fev 2012

Convertei-vos e crede no Evangelho!

“O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo. Convertei-vos e crede no Evangelho!” Esta frase marca o final do Evangelho do 1º Domingo da Quaresma. Como ouvimos, Marcos narra o ambiente e as circunstâncias da tentação de Jesus. Estamos diante de três elementos: o deserto, os anjos e o diabo. Os três são elementos que representam o árduo caminho da Quaresma, iniciado na Quarta-feira de Cinzas, cuja grande missão nesse tempo é a conversão.

O deserto indica um local de provação. Jesus é o novo Israel que passa quarenta dias no deserto e vence a tentação, permanecendo fiel à vontade divina e à Sua Aliança.

O diabo e os anjos representam o interior de cada um de nós. Dentro de nós pode morar um anjo e um diabo. Quando nos damos de corpo e alma a Deus, em nós sobressai o lado angélico mas quando nos damos aos prazeres da carne, então fala mais alto o lado diabólico.

Vivemos num mundo onde há pessoas com corações diversificados. Há aqueles que são mais compreensivos e curtem a paz, até mesmo em momentos críticos. São os que têm como razão viver o cultivo da vida interior com Deus e em Deus. Para estes, os anjos do Senhor, constantemente, os servem com a paz, a fortaleza, a sabedoria, o temor de Deus e assim por diante. Mesmo que tenham um temperamento forte, sabem controlar seus impulsos e instintos.

Todos nós sabemos que os animais reagem a impulsos e instintos. E isso também existe dentro de cada um de nós, quando não fazemos usa da nossa liberdade e vontade que, vindos de Deus, deveriam ser usados para escolher sempre o bem. Em alguns, aparece, esses dois elementos indomáveis. Trata-se de pessoas impulsivas, que “primeiro fazem e depois pensam”. O demônio acaba existindo em quem vive tão somente pelo instinto, incapaz de ter qualquer controle sobre si próprio.

No deserto – local da sede, da fome e da provação – Jesus é tentado por Satanás. Sendo um homem igual a cada um de nós, Cristo poderia ter se deixado levar pelo instinto e pela impulsividade do diabo. Mas não. Ele vence a tentação optando pelo serviço dos anjos; isso acontece pela fidelidade ao plano divino. Eis a diferença entre nós e Ele!

Enquanto, muitas vezes, nos deixamos vencer pelo diabo, Jesus o desafia. E então, “Aquele que é fiel”, envia os Seus anjos para servir a Seu Filho. O que vemos em Jesus é um exemplo para vencermos as tentações.

Os nossos desertos são muitos e podem ser localizados na nossa cidade, na nossa casa. Podem estar na nossa família, na escola ou no trabalho. Nos locais onde vivemos e trabalhamos, a tentação aparece e faz transparecer o controle que temos de nós mesmos.

Quero lembrar a você que esse tipo de reação não se trata com “controles mentais” ou “técnicas de relaxamento” ou por meio de uma consulta ao psicólogo ou psicanalista. Isso pode ajudar, mas a proposta da espiritualidade cristã diz que a vida interior só se resolve a partir do momento em que optamos por Deus.

É o que fez Jesus, pois existe dentro de nós uma duplicidade: ou optamos por Deus e Ele nos serve ou deixamos que nossos impulsos e instintos apareçam e tomem conta da nossa vida a ponto de nos “infernizar”. Desta forma, caímos nas malhas do diabo que procura nos dominar o tempo todo.

A vida interior só se torna divinizada à medida que formos capazes de nos esvaziar de nós mesmos, de tirar de nós os instintos e os impulsos, para acolher com simplicidade, humildade e no espírito de pobreza, o que Deus nos oferece por meio do Seu Filho manso e humilde de coração.

Portanto, neste tempo quaresmal, o nosso primeiro empenho é acolher o convite à conversão: “Convertei-vos e crede no Evangelho!” E converter-se, hoje, significa considerar a vida interior de cada um de nós. Ver o que é mais saliente em nós: o lado divino ou o lado dos impulsos e instintos? O lado divino ou o lado humano?

Lapidai-me, ó Deus, para que, convertido, eu possa acolher o vosso Reino. E que, acolhendo-o em minha vida, os vossos anjos me venham servir como fizeram a Jesus. Amém.

Padre Bantu Mendonça

Comentários