03 Jan 2019

Busquemos ser justos uns com os outros

É tempo de buscarmos o que é justo, de sermos justos uns com os outros, reparar as injustiças que estão ao nosso lado

Já que sabeis que ele é justo, sabei também que todo aquele que pratica a justiça nasceu dele” (1João 2,29).

Estamos vivendo o tempo do Natal! Neste tempo, refletimos a presença de Deus dentro de nós. A Palavra está nos dizendo que Ele é justo, e permanece n’Ele aquele que pratica a justiça, aquele que nasceu d’Ele como Ele nasceu no meio de nós e nos trouxe a justiça. Quem nasce d’Ele se torna também uma pessoa justa.

Se formos refletir, de fato, a vida humana, com toda a beleza que podemos encontrar nela, temos de reconhecer que vivemos num mundo injusto, que a vida humana é cercada de muitas injustiças para todos os lados, sejam as mais conhecidas e descabidas injustiças sociais que levam uns a viverem o extremo de uma vida recheada de conceitos avarentos – em que desperdiçam dinheiro e tudo o que têm, gastam de forma extravagante –, a outros que vivem uma extrema pobreza.

É possível ver, no mundo em que vivemos, uma pessoa gastar, numa noite, o que filhos de Deus, muitas vezes, não conseguem ter a vida inteira. É o extremo da injustiça humana. É possível ver festas, como vimos agora no fim de ano, em que se comia e bebia de tudo, depois, muitas coisas foram para o lixo; enquanto outros filhos de Deus vivendo a extrema pobreza e a profunda miséria.

As injustiças não são só de ordem social, mas nas relações humanas. Há muitas coisas desonestas, há muitas corrupções na forma de agir e falar no meio de nós. Não me volto apenas para as grandes injustiças e corrupções, mas também as que são vividas e praticadas no meio de nós.

Não há nada mais injusto do que falar mal dos outros, difamar o nome do outro, caluniar, perseguir o outro, querer ser mais do que o outro e diminuir a pessoa do outro. Há a grande injustiça dos homens em não reconhecer Deus como Senhor e Salvador. Há grandes injustiças penetradas nos nossos comportamentos e na nossa forma de agir com o outro.

Podemos ter nos decepcionado com alguém, mas isso não nos dá o direito de diminuirmos aquela pessoa para os outros, porque a decepção foi nossa, não significa que todos irão se decepcionar com aquela pessoa.

Quem nasceu de Deus precisa ser justo. Vivemos num mundo onde todos queremos justiça, mas a nossa justiça vem do nosso ser justiceiro, não vem daquela justiça de ser justo, honesto, correto e, ao mesmo tempo, provinda de uma verdade que é alicerçada na humildade que vem do coração de Deus.

É tempo que buscarmos o que é justo, sermos justos uns com os outros, repararmos as injustiças que estão ao nosso lado e fazermos a nossa parte para não tornar o mundo e a vida mais injustiça, mas dar o melhor de nós para dizer: Eu semeie a justiça, pratiquei a justiça e vivi uma vida justa na presença de Deus.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Ajude a Canção Nova!

0%

Confira a ediçao especial da revista
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.