03 abr 2010

A Vigília Pascal*

No sábado santo celebramos durante o dia a sepultura do Senhor, e pela noite a grande vigília pascal da ressurreição gloriosa do Senhor, que constituiu o ponto mais de todo o ano litúrgico. Nas leituras bíblicas da vigília pascal temos um resumo de toda a história bíblica desde a criação, passando pelo êxodo e a páscoa do Egito, até culminar na ressurreição de Jesus.

A liturgia da vigília pascal, que começou a celebrar-se na igreja romana em meados do séc. II, tem na sua estrutura atual uma rica simbologia batismal que é o sedimento de muitos séculos de culto cristão. Assim, seguindo a ordem do ritual: o rito do fogo novo, a procissão das velas, o sírio pascal, o preçonio pascal, a benção da água e a fonte batismal.

Esta marcada reprodução batismal da Páscoa recorda-nos que o nosso nascimento para a vida nova com Cristo ressuscitado se realiza pela fé e pelo sacramento do batismo que nos incorpora no mistério pascal de Cristo, isto é, na sua morte e ressurreição. Os dois tempos do batismo na liturgia primitiva: imersão na água e emersão da mesma, simbolizam, respectivamente, a morte para o pecado e a sepultura com Cristo (imersão), e a ressurreição para a vida nova com ele (emersão).

A liturgia batismal mais freqüente hoje em dia, só com a infusão da água, significa simultaneamente a limpeza e perdão dos pecados e a vida nova ou adoção filial por Deus. Ao realizarem-se assim os dois momentos – que são um – de participação na morte e ressurreição de Cristo, isto é, no seu mistério pascal, fica o neófito incorporado nele e no seu corpo social que é a Igreja, a comunidade cristã, o povo de Deus, o povo da nova aliança pelo sangue de Jesus.

A grande festa cristã é a Páscoa da ressurreição. Tanto ;e assim que o mistério pascal é o que celebramos constantemente ao longo de todos os domingos e festas do ano litúrgico e inclusivamente na Eucaristia diária. A vigília pascal com lume novo e a luz do círio, que representam Cristo, expressa alegremente a nossa fé comunitária na libertação do homem envelhecido pelo mal, mediante a criação do homem e mundo novos em Cristo ressuscitado. Deus deu o primeiro passo na ressurreição de Jesus.

Cristo ressuscitado é o novo Adão que restitui ao homem, imagem do Deus da vida, a dignidade perdida pelo pecado. Desde então são possíveis no nosso desprezível mundo a esperança, a liberdade, a alegria e a solidariedade humana, porque Jesus ressuscitado estabelece e consolida o reino de Deus na terra dos homens. Ele possibilita-nos a vida nova de seres regenerados e redimidos do pecado, que é a antiga condição e o fermento estragado. Ao tronco velho da humanidade pecadora, nasceram novos rebentos na primavera que é esta Páscoa florida da ressurreição de Cristo.

A páscoa cristã é o dia em que atuou o Senhor, é a festa da fé e da vida imortal, é o triunfo da causa de Jesus, é a salvação do homem, é o grande êxodo da escravidão do pecado e o começo da grande marcha de libertação da humanidade, que com Cristo caminha na esperança presente e futura. Por tudo isso e por ser a vitória definitiva sobre a morte, a Páscoa é a grande festa da vida para todo o que crê em Cristo ressuscitado.

Mas tudo isso tem um preço para nós: colaborar pessoalmente com a graça e a força do Espírito, morrendo com Cristo para o homem velho. Por isso se nos propõe hoje a conversão total: da mentalidade, coração e conduta, como princípio de uma vida nova. O cristão, ressuscitado com Jesus, deve aspirar aos bens do alto onde está Cristo a varrer da sua vida o pecado, que é o fermento velho da corrupção e da maldade. Só assim seremos a massa nova do pão ázimo pascal.

Padre Pacheco,

Comunidade Canção Nova.

*Cf. B, CABALLERO. A Palavra de cada dia. p. 173-174. Paulus: 2000.

Comentários

comentário(s)

↑ topo