05 fev 2012

A salvação de Deus é para todos sem exceção

O Evangelho deste 5º Domingo do Tempo Comum resume a missão de Nosso Jesus Cristo: Ele veio para levantar os homens feridos no corpo e espírito. Ao pegar na mão da sogra de Pedro e ao levantá-la, o Senhor quis também atingir a minha e a sua mão, bem como a de todos os da minha e da sua família, as quais, muitas vezes, no nosso dia a dia, se atrofiam por causa do pecado.

Ele veio, com o Seu exemplo, dizer-nos que somos chamados a entrar numa relação com Deus: “A glória de Deus é o homem vivo, a vida do homem é a visão de Deus”, dizia Santo Irineu. Se Jesus retira-se para um lugar deserto, não é para fugir do mundo, mas para falar do mundo a Seu Pai. Ele proclama a Boa Nova.

Ora, qual é esta Boa Nova senão a libertação da humanidade e a glória de Deus? Não é um exemplo que Jesus nos dá: estender as mãos aos nossos irmãos e, ao mesmo tempo, erguer os olhos para Deus na oração? Missão e contemplação não se opõem, pelo contrário: completam-se e enriquecem-se mutuamente.

As ações de Cristo em favor dos homens – que o Evangelho de hoje nos apresenta – mostram a eterna preocupação de Deus com a vida e a felicidade dos Seus filhos. O projeto de Deus para os homens e para o mundo não é um projeto de morte, mas de vida. O objetivo do Todo-poderoso é conduzir os homens ao encontro desse mundo novo, no qual não haverá mais sofrimento, maldição e exclusão, simbolizados pela expressão: “Vamos a outros lugares; às aldeias da redondeza”, onde cada pessoa terá acesso à vida verdadeira, à felicidade definitiva, à salvação.

Talvez nem sempre entendamos o sentido do sofrimento que nos espera em cada “favela”, em cada “curva apertada” da nossa vida. Talvez nem sempre sejam claros, para nós, os caminhos por onde se desenrolam os projetos de Deus. Mas Jesus veio garantir-nos verdadeiramente o empenho de Deus na felicidade e na libertação do homem. Resta-nos confiar em Deus Pai e nos entregarmos ao Seu amor. Ele convidou os Seus discípulos a saírem da sinagoga, a saírem da casa de Simão e a tomarem o rumo que vai para a minha e para a sua casa.

Assim, para mim e para você, o encontro com Jesus deve significar sempre uma experiência libertadora. E depois que o Senhor entrou na nossa casa devemos aceitar o Seu convite. E aceitar o convite de Cristo para segui-Lo e para se tornar Seu discípulo significa a ruptura com as cadeias do egoísmo, do orgulho, do comodismo, da autossuficiência, da injustiça e do pecado, que impedem a nossa felicidade e que geram sofrimento, opressão e morte na nossa vida e na vida dos nossos irmãos.

Quem se encontra com Jesus, escuta e acolhe a Sua mensagem e adere ao Reino. Assume o compromisso de conduzir a sua vida pelos valores do Evangelho e passa a viver no amor, no perdão, na tolerância, no serviço aos irmãos. É – na perspectiva da catequese que o Evangelho de hoje nos apresenta – um “levantar-se”, um ressuscitar para a vida nova e eterna.

Perguntemo-nos: O meu encontro com Jesus constitui, verdadeiramente, uma experiência de libertação e me leva a optar pelos valores do Evangelho?

As curas milagrosas de Jesus evidenciam o poder salvador do Reino de Deus, inaugurado e presente n’Ele [Jesus]. Mas como assinala a seguir o evangelista, Jesus tem esse poder devido à Sua comunhão com o Pai, com quem se mantém unido em oração. Por isso, “levantou-se de madrugada, retirou-se para um descampado e ali se pôs a orar”. É onde O encontram Pedro e os seus companheiros na manhã seguinte. E, ao encontrá-Lo, disseram-lhe: “Todos te procuram”.

A atitude do Senhor ao retirar-se para o isolamento, sem se aproveitar da popularidade conseguida, vem arrefecer o entusiasmo ambíguo do povo e de Seus discípulos. Ele sabe que a multidão não está em condições de entender ainda o mistério da Sua pessoa. Nem mesmo os Seus discípulos o entendem! O povo procura-O por interesse, para O “instrumentalizar” como curandeiro, do mesmo modo que O procurarão entusiasmados depois de se saciarem com a multiplicação dos pães.

A resposta de Jesus não deixa lugar a dúvidas. Ele tem o assunto muito claro: “Vamos a outros lugares, às aldeias próximas, para pregar também ali; pois para isso vim. Assim percorreu toda a Galileia pregando nas sinagogas e expulsando demônios”. A salvação de Deus, trazida por Cristo, não tem fronteiras. É para todos sem exceção.

Jesus não se deixa reter por uma comunidade particular. Seu ministério missionário é dirigido amplamente a toda a Galileia e aos territórios vizinhos. Por isso, Sua fama se espalhava por toda a região da Síria. Todo povo levava até Jesus pessoas que sofriam de várias doenças e de todos os tipos de males, isto é, epiléticos, paralíticos e pessoas dominadas por demônios e Ele curava a todas.

Grandes multidões O seguiam. Era gente da Galileia, das dez cidades vizinhas, de Jerusalém, da Judeia e das regiões que ficam no lado leste do Rio Jordão. O tempo para alcançar a cura, a libertação e a graça da salvação chega também hoje até a sua casa. Basta que você abra as portas do seu coração e dê livre acesso para Jesus lhe dizer: “A salvação entrou hoje em sua casa!”

Padre Bantu Mendonça

Comentários

Outubro

49%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários