20 jun 2011

A ousadia de julgar o próximo

Num mundo marcado por falsos juízos, Jesus nos adverte: “Não julgueis, para que não sejais julgados”.

Esta expressão – que pode tranquilamente se entender por criticar – é das mais conhecidas, mas nem sempre é interpretada corretamente.

O julgamento que não devemos fazer é aquele em que nos colocamos em lugar de juiz para condenarmos ou falarmos mal a respeito do nosso irmão ou nosso próximo segundo nossa própria avaliação. Isso, porém, não se refere ao discernimento que deve ser exercido pelo cristão – ou pela Igreja – para se proteger contra os que praticam o mal ou ensinam falsidades, ou para manter a disciplina para o bem da Igreja.

Quem ousa julgar os outros sofrerá a consequência desta usurpação de poder, pois também virá a ser julgado pela mesma medida – e achado em falta!

Lembremo-nos sempre das nossas próprias imperfeições antes de nos colocarmos no lugar de “juiz” para apontar as faltas dos outros. O Senhor Jesus chama isso de hipocrisia: é preciso primeiro eliminar nossas próprias faltas e imperfeições antes de julgarmos as dos outros. As nossas, sob esta perspectiva, são maiores e se comparam a uma trave em nosso olho quando só podemos ver um argueiro no olho do nosso irmão.

Ao nos depararmos com pessoas tão perversas que tratam as verdades divinas com total desprezo e reagem com violência quando lhes falamos do Evangelho, não temos a obrigação de continuar insistindo com elas. Se o fizermos, apenas estaremos aumentando a condenação que já pesa sobre elas. Nem sempre é fácil perceber quando uma pessoa pode ser classificada nessa categoria, mas, quando em dúvida, temos o recurso de pedir discernimento em oração.

Por isso, reze: “Pai, livra-me de julgar meus semelhantes de maneira severa e impiedosa. Que eu seja misericordioso com eles, assim como és misericordioso comigo. Amém!”

Padre Bantu Mendonça

Comentários