24 fev 2011

A importância dos nossos atos

O discípulo do Reino de Deus, no exercício de sua missão, deve ser muito cauteloso para não se tornar ocasião de pecado para quem está dando os primeiros passos na fé. O pecado, nesse caso, consistiria em negar Jesus e se recusar a aderir ao Reino anunciado por Ele. E os próprios discípulos, agindo de forma inconsiderada, corriam o risco de se tornar culpados deste fracasso e ser julgados por isso.

As atitudes inconsideradas do discípulo em missão podiam ser muitas. Eles corriam o risco de ser intransigentes e impacientes, não respeitando o ritmo próprio de cada pessoa no seu processo de adesão a Jesus. Não estavam livres do espírito farisaico, que os levava a ser extremamente severos e exigentes com os recém-convertidos, esvaziando as exigências quando se tratava de si mesmos. Com a liberdade adquirida junto a Cristo, podiam ter atitudes chocantes para os pequeninos, ainda atrelados a antigos esquemas, que só com dificuldade se deixavam permear pela novidade do Reino de Deus.

Levados por um espírito corporativista, podiam ceder à tentação de selecionar, com critérios humanos, os novos discípulos, excluindo pessoas predispostas para o Reino, mas que não satisfaziam suas exigências. A denúncia de Jesus contra essa mentalidade foi violenta. Se o discípulo não se desfizesse dessa visão deturpada, corria o risco de ver-se lançado no inferno.

É muito comum ouvirmos que isso ou aquilo é escandaloso e, normalmente, quando isso acontece, o fato está relacionado com questões de sexualidade. O escândalo é muito mais do que isso. Dar escândalo significa ser ocasião de pecado para as outras pessoas, independentemente da natureza ou da forma do pecado. Jesus nos mostra no Evangelho de hoje a importância que devemos dar aos nossos atos, para que eles sejam testemunho da nossa adesão ao Reino de Deus e não uma negação da nossa adesão que tenha como consequência o afastamento das pessoas. Não podemos nos esquecer de que a nossa fidelidade a Jesus Cristo no nosso dia a dia é a nossa grande arma no trabalho evangelizador.

Pai, torna-me forte para tirar da minha vida tudo quanto possa servir de contratestemunho a meu próximo e levá-lo a afastar-se de Ti.

Padre Bantu Mendonça

Fonte: Retirado do Blog do padre Bantu

Comentários