04 nov 2017

A humilhação corrige nossa natureza humana

A humilhação é um excelente remédio para nossa natureza humana, corrompida pelo gosto das grandezas

Quando fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu” (Lucas 14,8).

A nossa tendência é buscar os primeiros lugares, e o que nos impulsiona é sermos os primeiros naquilo que fazemos: primeiro lugar a ocupar a mesa, o primeiro a chegar nisso e naquilo. É claro que é diferente alguém se esforçar, dar o melhor de si e ser o primeiro naquilo que fez. Não é disso que o Evangelho fala.

O Evangelho está falando de quando nos esforçamos e nos dedicamos a ser mais importantes do que os outros, colocarmo-nos na frente dos outros, sentirmo-nos melhores do que eles. O nome desse sentimento é orgulho e soberba. “Eu sou o mais importante!”

Alguns não falam, mas se sentem, colocam-se, projetam-se, pensam e agem, muitas vezes, assim. A tendência de querer que as coisas sejam do nosso jeito, da nossa maneira, é porque nós achamos que o nosso jeito e a nossa maneira são o único jeito certo ou é o melhor jeito.

Por que há desavenças? Por que há conflitos em casa, na família, no trabalho, onde estamos? Por causa da nossa natureza humana, que quer se impor sobre os outros, quer projetar-se mais que os outros.

O marido acha que é mais importante que a mulher, sabe mais, conhece mais, esforçou-se mais, trabalhou mais. A mulher se sente mais importante, porque é mulher, porque “ela sabe”; e essa história do “eu que sei” cria tantas batalhas e desavenças no meio de nós!

Qual caminho o Evangelho nos aponta? “Quem se eleva será humilhado”. A humilhação é um excelente remédio para a nossa natureza humana, corrompida pelo gosto das grandezas, pela soberba da vida, pelo gosto do egoísmo, do ego que quer ver as coisas do mundo do nosso jeito.

Só a humilhação corrige essa natureza humana desenfreada, mal inclinada. Ninguém deve humilhar ninguém, mas as humilhações da vida estão aí para nos corrigir, para apontar que o caminho da salvação passa pela humilhação, para não nos sentirmos os melhores, os grandes, os contadores de vantagens.

Às vezes, há uma doença, um sofrimento, uma dificuldade. Não aproveite essas coisas para reclamar da vida, mas para a rever. Não use dessas coisas para achar que Deus nos castiga, mas aproveite a oportunidade para compreender o tamanho do amor que Deus tem por nós.

Quando tudo está bem, quando somos maravilhosos, bons, gostosos, achamo-nos, elevamo-nos e o sentimento de grandeza vem tomar conta de nós e nos colocar à frente; não conseguimos perceber quem ficou para trás ou o que está acontecendo ao nosso lado.

Só na humilhação da vida conseguimos abrir os olhos para nos colocarmos em nosso lugar. Ninguém é mais importante do que ninguém, ninguém é superior a ninguém, somos todos pó da terra, caminhamos para o mesmo lugar.

Quem se humilha é exaltado no coração de Deus, mas quem exalta a si próprio, quem se sente melhor e mais importante que os outros, infelizmente, caminha como um cego que não sabe enxergar o caminho da vida. Tropeça, cai, e a tragédia pode ser muito grande.

Que todas as humilhações da vida sirvam para abrir nossos olhos e nos colocar em nosso lugar.

Deus abençoe você!


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova. Contato: padrerogercn@gmail.com – Facebook

Comentários

Novembro

3%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários