20 Aug 2011

A hipocrisia é um obstáculo para a conversão interior

Estamos, na liturgia de hoje, diante de uma crítica à religião falseada pela ausência de ética verdadeira, o culto fantasiado em ritos que não expressam a experiência de Deus e Sua soberana vontade. Somente a vivência da aliança garante unir comportamento e culto, vida e religião, moral e mística. Esta fidelidade à aliança é a pregação profética dirigida aos sacerdotes e a crítica de Jesus aos escribas e fariseus.

Cristo denuncia a hipocrisia dos que se consideram mestres em Israel porque, conhecendo a crítica dos profetas, apresentam-se como justos – isto é, observantes, unindo a vida ao culto – mas, na realidade, atraem com sua observância a atenção dos homens para si mesmos e não para Deus, ao buscarem a admiração e o reconhecimento como pessoas dignas de honra.

A hipocrisia, portanto, diz respeito – ainda que de forma sutil – também à incoerência entre religião e ética, expressando a não autenticidade do culto ou de vida, quando há observância.

Jesus se mostrou intransigente contra a hipocrisia farisaica, porque atinge a fé na Sua pessoa e no Seu ministério. Só foi intolerante, em relação aos pecadores, contra os escribas e fariseus. Para convocá-los e denunciar-lhes a dureza de coração, afirma que os publicanos e as prostitutas os precederiam no Reino de Deus (cf. Mt 21,31). Em contrapartida, a hostilidade deles confirma que a hipocrisia é o pior obstáculo a impedir o caminho salvífico proposto por Jesus.

Jesus – que é a Luz – se torna, paradoxalmente, a cegueira do fariseu ao desvendar-lhe a hipocrisia. Podemos, portanto, afirmar que se trata de um visar os próprios interesses e não os de Deus, ainda que aparentemente afirmando-os. Essa hipocrisia impossibilitou, espantosamente, que homens religiosos e de estrita observância reconhecessem o Messias por eles esperado e que muitos outros também não O reconhecessem.

Por ser o ideal cristão muito elevado, a nossa justiça deve exceder a dos escribas e dos fariseus, e temos de ser perfeitos como o Pai celeste é perfeito. Os fiéis a Cristo – independentemente da busca sincera ou não de coerência – podem ser vistos ou podem se ver como hipócritas, isto é, merecedores da repreensão de Jesus: “Fazei e observai tudo quanto vos disserem. Mas não imiteis as suas ações, pois dizem e não fazem”.

Entretanto, há que se distinguir: uma coisa é não buscar a coerência de vida entre o que se crê e o que se celebra, fantasiando a religião, ritualizando os sacramentos, esvaziando a fé de seus compromissos; outra coisa é admitir a condição do homem fraco, falível e pecador que, mesmo buscando avidamente a coerência, descobre-se sempre em defasagem entre a mensagem e suas exigências e, por isso, vive a fé com humildade, em estado permanente de conversão e de busca constante do verdadeiro rosto de Deus.

Padre Bantu Mendonça


Padre Roger Araújo

Sacerdote da Comunidade Canção Nova, jornalista e colaborador do Portal Canção Nova.

https://www.facebook.com/pe.rogeraraujo/?fref=ts

Novembro

50%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.