07 dez 2012

A fé que forma discípulos e missionários da esperança

A passagem de Mateus 9,27-31 está localizada entre temáticas que podem nos ajudar a compreendê-la melhor. No capítulo oitavo é tratado sobre as exigências do discipulado (cf. Mt 8,18-22), logo em seguida é apresentado Jesus Todo-Poderoso e vencendo as diversas situações e agentes que queriam, e ora dominavam o ser humano, não tão diferente aos tempos atuais.

Esses agentes eram: as forças da natureza, especificamente o mar (cf. Mt 8,23-27); os demônios (cf. Mt 8,28-34); o pecado (cf. Mt 9,1-8) e também Jesus antecipa a vitória sobre a temida morte (cf. Mt 9,18-19.23-25).

Enquanto o Evangelho – o qual nos propomos a meditar aplicando-o na nossa vida – pode ser sintetizado como um testemunho sobre Jesus vencendo a cegueira, assim, logo em seguida, Ele atua curando um filho amado de Deus, do mal da mudez (cf. Mt 9,32-34). Na sequência, o capítulo nove e dez tratarão (cf. Mt 9,35-10,42) da revelação sobre as diversas características da missionariedade cristã.

Onde podemos chegar com tantas citações bíblicas? Notemos que entre as exigências de uma heróica prontidão e disponibilidade para o discipulado cristão (e aquilo que é próprio da missão centrada em Jesus, o modelo supremo), encontram-se os diversos testemunhos, acima citados, do poder de Jesus Cristo em seu mistério e ministério.

Sua atuação com o Espírito Santo e segundo a vontade do Pai, não era “mágica” e nem “fábrica de exibicionismos”, mas a autêntica manifestação do amor que chama, cura, liberta, reúne, forma e envia em missão.

Tudo isto é obra do Espírito Santo na Igreja de Cristo (cf. Jo 16,13-14). Obra que compromete a todos com a resposta de uma fé-obediente! Porque assim Cristo se apresentou, de diversas formas… Mas sempre esperando um resposta, uma participação em seu poder.

O diálogo com os dois cegos, torna-se emblemático: «Acreditais que eu posso fazer isso? Eles responderam: “Sim, Senhor”. Então tocou nos olhos deles dizendo: “Faça-se conforme a vossa fé”» (Mt 9,28-29). Esta é a nossa escola divina e humana de discípulos e missionários de Cristo, como Igreja Católica. Por isso parafraseando as súplicas dos dois cegos, podemos sempre pedir: “Tem compaixão de nós e nos faça, neste tempo desafiadores, discípulos e missionários segundo o Teu Coração, rico em misericórdia!”

Mas nos preparemos para uma provável pergunta…«Acreditais?…». Certamente, se a nossa resposta for um sincero: «Sim, Senhor!», então estaremos nos submetendo à formação de Cristo que passa pelo seu poderoso amor misericordioso que sabe personalizar – segundo a necessidade de cada um – e formar a todos para uma união de coração que evangeliza por si só, como testemunhava a Igreja primitiva: «Perseverantes e bem unidos, frequentavam diariamente o templo, partiam o pão pelas casas e tomavam a refeição com alegria e simplicidade de coração. Louvavam a deus e eram estimados por todo o povo. E, cada dia, o Senhor acrescentava a seu número mais pessoas que eram salvas» (At 2,46-47).

Neste Ano da Fé, precisamos crescer nas dimensões e relações entre fé-discipulado-missão. Para assim colocarmos a experiência de Deus, no poder do Espírito Santo, não como uma busca frenética e até egoísta daquilo que Ele pode nos dar, mas em forma de testemunho. Assim ensina o Catecismo da Igreja Católica, exaltando também a Virgem Maria, como modelo: «Somente a fé pode aderir aos caminhos misteriosos da onipotência de Deus. Esta fé gloria-se nas suas fraquezas, a fim de sobre si o poder de Cristo. Desta fé a Virgem Maria é modelo supremo, ela que acreditou que “nada é impossível a Deus” (Lc 1,37) e pôde engrandecer o Senhor: “O Todo-Poderoso fez grandes coisas em meu favor, seu nome é Santo” (Lc 1,49)» (CIC 273).

E no Advento litúrgico que hoje a Igreja vive, precisamos viver o advento existencial e formativo, para que tudo em nós, concorra para sermos discípulos e missionários segundo o coração d’Aquele que nos quer “visionários” de tempos de esperança: «E os olhos deles se abriram» (Mt 9,30).

Padre Fernando Santamaria – Comunidade Canção Nova

Comentários