14 fev 2012

A fé é a chave de acesso aos tesouros celestes

Se perfurássemos o véu, e se estivéssemos vigilantes e atentos, Deus revelar-Se-nos-ia sem cessar e usufruiríamos da Sua ação em tudo quanto nos acontece, dizendo diante de todas as coisas: “É o Senhor!” (Jo 21,7). E descobriríamos em todas as circunstâncias um dom de Deus.

Consideraríamos as criaturas frágeis instrumentos nas mãos de um Obreiro onipotente e reconheceríamos, sem dificuldade, que nada nos falta e que a contínua atenção do Altíssimo O leva a proporcionar-nos em cada instante aquilo que nos convém. Se tivéssemos fé, teríamos boa vontade para com todas as criaturas. Haveríamos de acariciá-las, interiormente gratos pelo fato de elas servirem e se tornarem favoráveis à nossa perfeição, aplicada pela mão de Deus.

Se vivêssemos ininterruptamente uma vida de fé, estaríamos em permanente comunhão com Deus Pai, falando com Ele a todo o momento.

A fé é intérprete de Deus. Sem os esclarecimentos que ela proporciona, não compreendemos a linguagem das criaturas. Esta é uma escrita em números, na qual apenas vemos confusão. Uma amálgama de espinhos, de onde não nos ocorre que Deus possa falar. Mas a fé permite-nos ver, como Moisés, o fogo da caridade divina que arde no seio destes espinhos (cf. Ex 3,2).

A fé dá-nos a chave destes números permitindo-nos descobrir, no meio da confusão, as maravilhas da sabedoria do Alto. A fé confere um rosto celeste a toda a terra. É por meio dela que o coração é transportado, arrebatado, para conversar no céu. A fé é a chave dos tesouros, a chave do abismo, a chave da ciência de Deus.

Pai, Deus Todo-Poderoso, é a Ti que devo consagrar a principal ocupação da minha vida. Que todas as minhas palavras e pensamentos se ocupem de Ti. Porque sou pobre, peço aquilo que me falta. Farei um esforço desmedido para entender as palavras dos Teus profetas e dos Teus apóstolos. Baterei a todas as portas que me dão acesso a uma compreensão que me está vedada.

Mas é a Ti, meu Deus, que cabe atender o meu pedido, conceder o que procuro, abrir a porta fechada. Na verdade, vivo numa espécie de torpor por causa do meu adormecimento natural. Estou impedido de compreender os Teus mistérios por uma ignorância invencível devida à fraqueza do meu espírito.

Mas o zelo pelos Teus ensinamentos fortalece a minha percepção da ciência divina e a obediência da fé me ergue acima da minha capacidade natural para conhecer. Quero compreender as Tuas palavras no sentido com que os profetas e apóstolos as pronunciaram e proclamaram. Desejo empregar os termos exatos para transmitir fielmente as realidades que eles exprimiram. Concede-me o sentido exato das palavras, a luz da inteligência, a elevação da linguagem, a ortodoxia da fé. Aquilo em que acredito, concede-me que também o afirme e proclame. Eu me abandono nas Tuas mãos providentes e sei que não ficarei decepcionado.

Padre Bantu Mendonça

Comentários