06 Jul 2012

A escola da misericórdia e comunhão

O Evangelho de hoje tem como contexto as diversas manifestações do poder de Deus em Jesus Cristo. Por isso, ao chamar um publicano, ou seja, alguém considerado pecador público, o Senhor acaba por revelar o tipo de poder que, realmente, Lhe é próprio: o amor misericordioso!

Jesus Cristo, como revelador do Pai das Misericórdias, na unção do Espírito Santo, não somente chamou a Mateus – “Segue-me” (v.9) -, mas aceitou entrar em sua casa e tomar a refeição com ele e muitos outros convidados, que também eram desprezados pelos líderes religiosos do Seu tempo.

Interessante o texto também dizer que, juntamente a Jesus, estavam os Seus discípulos; tanto assim, que foram eles os questionados pelos que se autodenominavam “justos”, “Por que vosso mestre come com os cobradores de impostos e pecadores” (v.11). Quem respondeu a questão foi o próprio Jesus, não como uma pessoa intrometida num assunto que não lhe diz respeito, mas como a Razão fundamental do ser e do agir do discípulo: “Aqueles que têm saúde não precisam de médico, mas sim os doentes” (v.12). Desta maneira, o senhor se apresenta como o Médico dos médicos, que veio sarar a todos, inclusive aqueles que O escutam com um coração fechado à revelação plena do Amor que salva, cura e liberta! Quer pior doença?

Jesus Cristo não veio para alguns, mas para todos, uma vez que não existe um ser humano naturalmente são depois que o pecado entrou no mundo. Até a Virgem Maria, criada imaculada, somente o foi por aplicação antecipada dos méritos de Cristo! Um milagre, tendo em vista a Encarnação do Verbo! Deus assim O quis! Também ela teve de passar pela escola da misericórdia e da comunhão. Com certeza, nunca houve melhor aluna tornada mestra!

Por isso, ouvir, hoje e sempre, de Jesus e “aprendei pois, o que significa: ‘Quero misericórdia e não sacrifício'” (v.13), significa que Ele não esteve contra os sacrifícios rituais, tampouco ciente de que esta vida pede sacrifícios habituais. Mas revela-se opositor da prática de qualquer rito ou ato humano vazio do verdadeiro amor. Também quer dizer que a nossa escola de misericórdia e comunhão comum será sempre o ser e agir do próprio Cristo. Ele não somente ensina, mas, pela ação do Espírito Santo, nos capacita à escuta e à prática da Palavra. Quanto à matrícula? Não é necessário a competição ou vigílias para conseguir uma vaga, apenas crer e reconhecer que o próprio Jesus preencheu, com o mistério de sua vida, Paixão, Morte e Ressurreição, o indispensável para sermos admitidos em Sua Igreja, sinal e canal de misericórdia e comunhão.

Sei que não merecemos tanto! Mas Ele nos ama, porque nos ama mereceu tudo isso e muito mais para nós! Basta agora, livremente aceitar-se amado (a) e assinar com uma vida, a qual se deixa melhorar pelo amor de Deus. E mais: será preciso não nos esquecermos de que, infelizmente, ainda somos ou estamos pecadores, porque pecamos. E quando isso acontecer, retomemos o aprendizado, ainda que seja humilhante por parte das nossas fragilidades. Mas não tem por que ficar no pecado nem perder a esperança, pois “De fato, eu não vim para chamar os justos, mas os pecadores” (v.13).

Numa escola assim, as férias são desnecessárias, pois o ano letivo começa nesta vida e a formatura nos aguarda em Céu Novos e numa Terra Nova! (cf. 1Pd 1,3-5).

Padre Fernando Santamaria

Comunidade Canção Nova

Comentários

Novembro

40%

Confira a revista deste mês
Pai das Misericórdias

Pedido de Oração

Enviar
  • Aplicativo Liturgia Diária

    Com o aplicativo Liturgia Diária – Canção Nova, você confere as leituras bíblicas diárias e uma reflexão do Evangelho em texto e áudio. E mais: você ainda pode agendar um horário para estudar a palavra por meio do aplicativo.


  • Comentários