14 set 2014

A cruz é o sinal do amor de Deus por nós

A cruz é o sinal do amor de Deus por nós, por isso nós hoje exaltamos a cruz bendita de Nosso Senhor Jesus Cristo, no qual está a nossa libertação, está a nossa cura, a nossa salvação, a nossa restauração.

Ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e abaixo da terra, e toda língua proclame: ‘Jesus Cristo é o Senhor’ — para a glória de Deus Pai” (Filipenses 2,10-11).

Neste domingo, nós queremos celebrar a Exaltação da Santa Cruz. Quando exaltamos a cruz do Senhor, nós não exaltamos a cruz pela cruz, pelo contrário, a cruz em si é um sinal de maldição. O livro do Deuteronômio nos diz que: “Maldito seja todo aquele que for pregado no madeiro” (Dt 21,23).

Mas por que Nosso Senhor, o Bendito entre todos, foi pregado na cruz sagrada? A cruz se tornou verdadeiramente sagrada, porque o Senhor se consagrou com Seu sangue, vertendo naquela cruz a salvação de todos nós. Então, a maldição se tornou bênção, o maldito se tornou bendito!

Por isso nós hoje proclamamos, exaltamos e louvamos Aquele que foi pregado na cruz para a nossa salvação: Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Nós ouvimos na segunda leitura da Missa de hoje, na Carta de Paulo aos Filipenses, que Jesus Cristo se humilhou, fazendo-se obediente até a morte e morte de cruz. Foi por isso que o Pai O exaltou sobremaneira e deu a Ele o nome que está acima de todo nome.

A humilhação de Jesus Cristo, na suprema obediência, produz salvação, libertação, cura e restauração e, por isso, nós não tememos ao anunciar e pregar Jesus Cristo Crucificado. A linguagem da cruz pode parecer loucura para alguns, um escândalo para outros, mas, para nós, é o supremo poder de Deus!

Nós hoje exaltamos a cruz bendita de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, nós olhamos para o Crucificado e n’Ele está a nossa libertação, está a nossa cura, a nossa salvação, a nossa restauração.

Digo mais a você: não tenha receio, não tenha medo de ter em sua casa, no seu carro, por onde você andar, o crucifixo bento, exorcizado. Ele não é para nós qualquer coisa de invocação ou de sortilégio; não é nada disso! Para nós, é memorial, é a lembrança, é um sacramental daquele Deus que morreu na cruz por mim e por você.

Eu fico triste quando vou à casa de um cristão e encontro flores, encontro quadro deste ou daquele artista, mas não encontro o Cristo Crucificado. Você pode dizer: “Padre, Ele não está morto na cruz!”, sim, isso é verdade, Ele ressuscitou e está vivo para a glória de Deus, mas o sacríficio d’Ele na cruz jamais pode ser apagado de nossa mente, de nossas memórias e do nosso coração.

Deus abençoe você!

Comentários