18 jun 2011

A cada segundo, uma vida de santidade

Neste belíssimo texto do Evangelho, Jesus põe em relevo o valor das realidades correntes da vida. Ao mesmo tempo, ensina-nos a pôr nossa confiança na Divina Providência. Com exemplos e comparações simples, tomados da vida cotidiana, convida-nos ao abandono sereno nas mãos de Deus: “Não se preocupem com a comida e com a bebida que precisam para viver nem com a roupa que precisam para se vestir. Afinal, será que a vida não é mais importante do que a comida? E será que o corpo não é mais importante do que as roupas? Vejam os passarinhos que voam pelo céu: eles não semeiam, não colhem, nem guardam comida em depósitos. No entanto, o Pai de vocês, que está no céu, dá de comer a eles. Será que vocês não valem muito mais do que os passarinhos?”

Basta, como disse, depositar tudo em Suas mãos porque se Ele veste e faz crescer assim “as flores do campo: elas não trabalham, nem fazem roupas para si mesmas. Mas eu afirmo a vocês que nem mesmo Salomão, sendo tão rico, usava roupas tão bonitas como essas flores. É Deus quem veste a erva do campo, que hoje dá flor e amanhã desaparece, queimada no forno. Então é claro que ele vestirá também vocês.

O que Deus espera de nós é a fé n’Ele e na realização plena das Suas palavras. O nosso Deus é fiel. N’Ele está o fim último do ser humano. Por este fim, o homem deve entregar todo o seu ser de maneira indivisível. O homem não pode dividir-se entre dois fins absolutos e contrários.

Onde se diz “vida”, pode se dizer também “estatura”, mas seria uma versão mais afastada do texto (cf. Lc 12,25). A palavra “côvado” significa uma medida de espaço aplicável também ao tempo metaforicamente.

Uma vez mais, a justiça do Reino de Deus aparece como a vida da Graça no homem, o que leva consigo todo um conjunto de atitudes espirituais e morais, e pode resumir-se no conceito de “santidade”. A busca da santidade é a primeira coisa que se deve intentar nesta vida. Novamente, Jesus insiste na primazia das exigências espirituais. “Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e o resto vos será dado por acréscimo“. Este “resto” são todos os outros bens temporais – inclusive necessários e legítimos – que normalmente empenham os desejos humanos. A pobreza de Cristo torna possível este desprendimento afetivo das coisas terrenas para pôr à frente – das aspirações humanas – a relação com Deus.

O Senhor exorta-nos a viver com serenidade cada dia, eliminando preocupações inúteis pelo que aconteceu ontem ou pelo que possa acontecer amanhã. É a sabedoria que se apoia na providência paternal de Deus e na própria experiência cotidiana.

O importante para você e para mim está em Deus. Viver só é possível com e diante d’Ele. Só assim viveremos com intensidade o momento presente.

Um conselho: viva bem o hoje e o agora, sem se lembrar do ontem. Porque o que passou, passou! Viva bem o hoje e o momento presente, sem se preocupar com o dia de amanhã. Porque não sabe se ele chegará para você. Portanto, viva bem cada segundo como se fosse o único da sua vida.

Padre Bantu Mendonça

Comentários