18 jan 2013

Uma fé unida à compaixão

Estamos no princípio do Evangelho de São Marcos – Mc 2, 1-12 – e o evangelista apresenta-nos Jesus como Aquele que se autodenomina “Filho do Homem”, perdoa pecados e realiza sinais prodigiosos. Local: Cafarnaum, provavelmente na cada de Pedro e familiares, inclusive a sua sogra. Casa que hospedava Jesus, como se fosse um “quartel-general”, devido a sua localização estratégica para a evangelização.

Ali ocorreu um testemunho de fé extraordinário e não pelo fato de estar presente uma multidão a procurar e rodear Jesus. Até porque existiam pessoas, como muitos fariseus e mestres da Lei que estavam “colados” em Jesus e atentíssimo a todas as suas palavras e gestos, para então poder acusá-lo futuramente.

De fato, ontem e hoje, estar na presença do Senhor não significa, já ter fé. Mas aconteceu naquele tempo, que cinco pessoas que não conseguiam nem se aproximar fisicamente de Jesus fizeram de tudo para isto conseguir, em benefício de um deles, o que mais sofria. Fé e compaixão precisam ser conjugadas!

Então, movidos pela fé e coragem, subiram na casa, que abrigava o pregador da Boa Nova do Pai das Misericórdias, abriram o teto, feito de taipa e colocaram um homem paralítico diante do Senhor da Vida, que assim confirmou-lhes: «Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse ao paralítico: “Filho, os teus pecados são perdoados”» (v. 5).

Que graça, aqueles quatro homens de fé conseguiram para o amigo doente! Com aquelas palavras o Filho do Homem se revelou, como o Filho de Deus, pois os judeus bem sabiam que somente Deus passaria a perdoar os pecados, quando chegasse o fim dos tempos! E como não existe luz sem sombra, desta vez a manifestação da Luz do Mundo, acabou por identificar as sombras existentes em muitos corações que estavam naquele local. A ponto inaugurar no Evangelho de São Marcos polêmica entre a compaixão e poder de Jesus e os corações que se enquadravam numa revelação, que Jesus faria, talvez um pouco mais tarde: «Hipócritas! O profeta Isaías profetizou bem a vosso respeito: “Este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim”» (Mt 15, 7-8).

O final deste drama para os que se fizeram adversários da Verdade se deu no julgamento mentiroso contra Jesus e a sua morte no Gólgota, enquanto para os discípulos de Jesus… O fim, tornou-se novo início com a Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Certeza de Salvação para todos!

Retornando ao princípio do Evangelho de São Marcos, ficamos impressionados como a sabedoria e o poder amoroso do Bom Pastor não recuava perante os ataques dos lobos e manobras dos mercenários, daquele tempo, como nos dias atuais. Quando a urgência é a salvação das almas a reação do Senhor foi e continua a ser esta: «Ora para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder para perdoar pecados – disse ao paralítico – eu te digo: levanta-te, pega a tua maca e vai para casa!» (Mc 2, 10-11).

A Boa Nova é atual! Pois Jesus, no poder do Espírito Santo e pela sua Igreja, continua a perdoar os pecados, como bem exprime a explicação do Credo: «O Símbolo dos Apóstolos liga a fé no perdão dos pecados à fé no Espírito Santo, mas também à fé na Igreja e na comunhão dos santos. Foi ao dar o Espírito Santo aos Apóstolos que Cristo ressuscitado lhes transmitiu o seu próprio poder divino de perdoar os pecados: “Recebei o Espírito Santo: àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos (Jo 20, 22-23)» (CIC 976).

Para finalizarmos, rapidamente voltemos a nossa atenção para este versículo: «O paralítico se levantou e, à vista de todos, saiu carregando a maca. Todos ficaram admirados e louvavam a Deus dizendo: “ Nunca vimos coisa igual!”» (Mc 2, 12). Aquele que somente conseguiu chegar na presença do Senhor mediante a fé unida à compaixão, agora precisou também participar com uma fé que o abriu para o milagre, a ponto de levantar-se, pegar a sua maca e suscitar no coração das pessoas o louvor e glória a Deus.

Evangelizar é um ato de compaixão! Pois existem neste mundo, muitos paralíticos – miraculados ou não fisicamente pela fé – que estão de pé, se deixando encontrar pelo Bom Pastor, e n’Ele repousam de corpo e alma. Enquanto muitos sadios, fisicamente, ainda jazem sobre macas de uma vida desgarrada. Claro que nenhuma meditação, que trate da atual e possível relação com Jesus pode se esquecer deste bom conselho: «Portanto, quem julga estar de pé tome cuidado para não cair» (1Cor 10, 12).

Padre Fernando Santamaria – Comunidade Canção Nova

Comentários