22 nov 2014

A Ressurreição de Cristo é a verdade maior da nossa fé

Aquele que crê em Jesus, o Senhor da vida, não crê em reencarnação nem dá ouvidos a quem prega a negação da verdade principal da nossa fé. A Ressurreição é a verdade maior da fé cristã!

“Mas os que forem julgados dignos da ressurreição dos mortos e de participar da vida futura, nem eles se casam nem elas se dão em casamento” (Lucas 20, 35).

A Palavra de Deus apresentada hoje nos dá a graça de refletirmos dois pontos fundamentais da nossa vida eterna, da nossa vida futura, mas que começam a ser vividos já na vida presente. A primeira delas é a convicção na Ressurreição, porque a questão, hoje apresentada pelos saduceus a Jesus, é para colocá-Lo em uma situação difícil, porque estes não acreditavam na Ressurreição.

Se um homem está casado com uma mulher e este vem a falecer, e essa mesma mulher casa-se com um irmão e depois com outro. Na vida futura, falando de ressurreição, afinal de contas, quem será o marido dela? (cf. Lucas 20,34-36).

A primeira coisa: a Ressurreição é um fato, não é fantasia nem teoria para nos deixar consolados. A Ressurreição é a verdade maior da nossa fé! Se com Jesus morrermos, com Ele também ressuscitaremos. É muito importante que, a cada dia, tenhamos mais convicção disso. Vivemos cercados de uma atmosfera religiosa chamada de “mística” ou “espiritual”, mas, na verdade, são filosofias, religiões, são crenças que, muitas vezes, nos confundem. Sim, existem religiões que fazem muitas coisas boas, pregam a bondade, mas não creem na Ressurreição. Estão disseminado, no meio de nós, a crença na reencarnação.

Preciso ser bem objetivo com você: aquele que crê em Jesus, o Senhor da vida, não crê em reencarnação nem dá ouvidos a quem prega a negação da verdade principal da nossa fé. Assim como Jesus ressuscitou, nós também ressuscitaremos, e não voltaremos mais a essa vida nem nos casaremos de novo em outra vida.

A outra dimensão do Evangelho de hoje é a pureza definitiva. Aqui, na terra, as pessoas se casam, porque vão se multiplicar, gerar outros filhos. Na vida futura, não teremos mais necessidade disso. Primeiro, porque estaremos plenamente saciados pelo amor divino. Segundo, porque não multiplicaremos mais aquele amor humano, aquele amor paixão, o amor eros. O amor que une um homem e uma mulher dura enquanto dura esta vida; depois, o único amor que permanece é a caridade, que nos faz irmãos e irmãs.

Podemos até dizer: “Ah, e na outra vida, padre, como vai ser? Não vou mais conhecer a minha mulher?”. Claro que vai! É claro que seus filhos serão seus filhos, mas já não serão mais nessa condição humana. Será numa condição divina, suprema e espiritual que Deus prepara para nós.

Vale a pena esperar aquilo que o Senhor preparou para quem O ama de verdade!

Deus abençoe você!

Comentários

comentário(s)

↑ topo